Presidente do Lar de Frei Luiz: “Espiritismo é ciência, a fé raciocinada”

Wilson Pinto, que não gosta da fama de casa de milagres do centro espírita carioca, fala ao iG sobre curas inexplicáveis e o aumento do número de evangélicos

Valmir Moratelli iG Rio de Janeiro | - Atualizada às

Selmy Yassuda
Wilson Pinto, presidente do Lar de Frei Luiz

Falar com o homem que dirige o maior centro espírita do estado do Rio de Janeiro exige paciência. Após passar pela aprovação de vários secretários e assessores, o repórter finalmente chega a sua sala, atrás do salão principal do Lar de Frei Luiz . Tanta burocracia até se explica, afinal não deve ser fácil administrar o sítio que chega a receber cerca de 5 mil pessoas por dia.

Localizado na Taquara, bairro da zona oeste do Rio de Janeiro, o centro espírita, que abriga uma creche de turno integral, um asilo e doze “salas” (como são chamados os núcleos de terapia e operação espiritual) é mantido por doações. Wilson Vasconcelos Pinto, presidente do Lar de Frei Luiz há dois anos, pede para que a entrevista a seguir seja acompanhada por Nelson Duarte Junior, diretor espiritual do local. “Esta é uma casa de estudo e de autoconhecimento. A cura se estabelece pela forma espiritual”, frisa ele, para afastar o paradigma de casa dos milagres.

Wilson foi gerente da multinacional White Martins, antes de assumir a missão de gerenciar o concorrido centro. Nesta sua gestão tem percebido o crescente aumento de dependentes químicos à procura de ajuda. Para isso estipulou para toda quinta-feira reuniões sobre o assunto. “Começamos com cinco ou seis presentes. Hoje a sala com capacidade para mais de cem pessoas não é grande o suficiente”, diz.

As marcas na orelha são de acupuntura, realizada pelos médiuns do Lar de Frei Luiz. Torcedor do Fluminense, líder do campeonato brasileiro, Wilson mantém um adesivo do escudo do seu time na mesa. “Este não precisa de ajuda”, brinca. A seguir, a conversa.

São médicos do astral que trabalham para cuidar do físico e do espírito”

iG: O que as pessoas vêm procurar no Lar de Frei Luiz?

WILSON PINTO: 95% das pessoas vêm aqui à procura da cura. Toda quarta e aos domingos alternados, há reuniões públicas. É quando recebemos pessoas que vêm em busca de tratamento físico e espiritual. Dependendo do caso, são encaminhadas para uma das doze salas de tratamento, cada uma com sua especificidade.

iG: Que tipo de tratamento é oferecido?

WILSON PINTO: Quando falo de tratamento físico é bom tomar cuidado para não confundir com tratamento médico. São médicos do astral que trabalham para cuidar do físico e do espírito, médiuns que tem entidades médicas que trabalham junto a eles nestas doze salas.

iG: Há um mistério sobre o que acontece na sala 1, de doentes de casos graves.

WILSON PINTO: Na sala 1? A mesma coisa que acontece em outras salas. Ali pessoas são tratadas por entidades do espaço. A gente não gosta de falar sobre isso, mas a sala 1 é voltada para doentes graves, como câncer, doenças autoimunes, coronárias... Onde a medicina tem pouco a se fazer. A sala 1 tem um trabalho espiritual focado nisso.

iG: Como se comprova a cura de um paciente por tratamento espiritual?

WILSON PINTO: Com a perplexidade que a medicina fica diante de fatos comprovados. Clinicamente não se explica. A sala 1 tem um trabalho de cura baseado na ectoplasmia (fenômeno paranormal que designa uma substância ou exteriorizada por médiuns). A energia vibrada na sala 1 é diferente de todas as outras.

iG: Todos podem ser curados?

WILSON PINTO: Não posso garantir que todos os casos têm cura. Isso depende de uma série de fatores. Depende não só da fé, que é fundamental. Se você compreendeu sua trajetória, tudo muda de acordo com sua intuição espiritual.

A porta fica aberta para quem quiser entrar, não perguntamos qual é o credo, se vem do Alto Leblon”

iG: O Lar de Frei Luiz só assiste seguidores do espiritismo?

WILSON PINTO: Não, aqui não se exige doutrina religiosa de ninguém. Já teve até Arcebispo do Rio procurando tratamento. Tem pessoal da religião judaica, muitos evangélicos... A porta fica aberta para quem quiser entrar, nós não perguntamos qual é o credo, se vem do Alto Leblon, da zona oeste... Tem até gente do exterior.

iG: Há pagamento de dízimo?

WILSON PINTO: Ninguém é obrigado a dar nem um centavo. De vez em quando entra um bêbado aqui pedindo dinheiro, mas aí é outra coisa. No Lar de Felipe ( abrigo para idosos ), temos 24 idosos que moram aqui sem pagar um tostão. A gente não tem nada a ver com aquelas barracas na rua. É a economia informal alimentada pelo movimento do bairro. O pessoal abre estacionamento em suas casas a R$ 4...

iG: Como vocês mantêm o Lar, que chega a receber 5 mil pessoas num dia?

WILSON PINTO: Tudo é doado. Nós vivemos de doação. Se quiser doar R$ 5 ou R$ 50, no final do mês pega um carnê e vai ao banco pagar. Mas ninguém vai ligar para sua casa perguntando por que não doou. A grande maioria das pessoas não faz qualquer tipo de doação. Temos uma média de apenas 1200 doadores.

iG: Quanto se arrecada por mês?

WILSON PINTO: Para que você quer essa informação?

iG: Para esta entrevista.

WILSON PINTO: Qualquer pessoa é capaz de fazer um cálculo desses. Temos 400 crianças assistidas na creche, tendo três refeições diárias. Temos ambulatório voltado para a comunidade, tendo 32 médicos de várias especialidades, limpeza, ar condicionado em todas as salas, segurança, ambulância, 24 mil refeições servidas por mês no refeitório...

iG: Os médiuns recebem salário?

WILSON PINTO: São 2 mil voluntários em doze salas de tratamento. Os médiuns também são voluntários. Temos 120 funcionários na folha de pagamento.

iG: O Lar de Frei Luiz é uma casa de milagres?

WILSON PINTO: O Lar de Frei Luiz é uma casa de educação espiritual. Infelizmente, acabaram tendo o Lar como uma casa de milagres. Cura-se aqui. Você tem ‘n’ pessoas neste momento agora sendo curadas dos seus males. Mas não gostamos dessa fama de milagres que nos cerca.

Não queremos que o Lar de Frei Luiz vire um point das grandes relações sociais”

iG: Por quê?

WILSON PINTO: Não queremos passar por milagreiros. Não nos interessa. A gente não quer que as pessoas nos procurem só por milagres. O Lar quer ensinar a orar, a meditar, a se espiritualizar. Quando as pessoas tiverem domínio pleno de suas faculdades energéticas, elas vão encarar todas suas dificuldades. A cura real não está na matéria, mas no espírito.

iG: Quantas operações espirituais são feitas por dia?

WILSON PINTO: Frederick Von Stein ( espírito de um médico alemão ) atende num dia como o de hoje cerca de oitenta ou noventa pessoas. Não dá para ele atender mais. São leitos individuais. Ele trata as pessoas através da sobreposição de mãos sobre a pessoa. Ele nem chega a encostar a mão no paciente. Você já pensou se todo mundo viesse para cá pensando que é casa de curandeirismo? Vai ter dez mil pessoas batendo na porta.

iG: Filmes espíritas, como o “Nosso Lar”, aumentam o interesse pelo local. Isso atrapalha a rotina de vocês?

WILSON PINTO: A divulgação tem que existir, mas o problema é que as pessoas chegam com visão milagreira. Queremos que venham para ser confortados, para ouvir uma palestra. Desculpe o que vou te dizer, mas não queremos que o Lar de Frei Luiz vire um point das grandes relações sociais. ‘Vamos lá porque tem artistas, ou porque tem cura, ou porque tem casos misteriosos...’. Sem ser elitista, são pessoas de classe social mais ( faz sinal com a mão abaixada )...

iG: Por que, ao contrário dos evangélicos, não há um aumento expressivo de espíritas na população brasileira?

WILSON PINTO: As últimas pesquisas indicam que o espiritismo é a religião com o maior número de adeptos com formação superior. O kardecismo exige uma leitura muito grande. O estudo é fundamental para se autoconhecer. O espiritismo é ciência. Temos aulas de química, física quântica, biologia.

iG: O espiritismo tem mais embasamento?

WILSON PINTO: É uma ciência fundamentada. Não é acreditar por acreditar. É a fé raciocinada. Há centros focados apenas em estudos, sem atendimento espiritual, apenas com salas de estudo. Por isso que, se não tiver fundamento, você parte para o curandeirismo.

iG: Então o baixo crescimento do espiritismo está condicionado à baixa escolaridade do brasileiro?

WILSON PINTO: Pode ser. É muito mais prático chegar num lugar onde tudo está pronto, deformado, sustentado... A população brasileira hoje olha para os governos e diz que não acredita, mas não sabe para onde ir. Não sabe se quer capitalismo ou socialismo, não sabe o que pensar.

Selmy Yassuda
Wilson (à dir.) acompanhado de Nelson Duarte Junior, diretor espiritual do Lar de Frei Luiz

    Leia tudo sobre: lar de frei luizespiritismoreligiãofrei luiz

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG