Separatistas dizem que é "dificílimo" conseguir criar Estados

Frente Pró-Carajás, contudo, aposta em feriado prolongado em Belém, onde resistência à divisão é grande, para ter alta abstenção

Wilson Lima, enviado especial ao Pará |

Com dois terços do eleitorado teoricamente contra a ideia de divisão do Estado em três, os separatistas apostam no “imponderável” - ou no “Sobrenatural de Almeida”, nas palavras de Nelson Rodrigues - para conseguir uma vitória no domingo (11), durante o plebiscito do projeto de divisão do Pará. A votação acontece das 8h às 17h.

A cidade: Cotada para capital de novo Estado, Marabá é 4ª cidade mais violenta do Brasil

Os apoios: Em Carajás, católicos e evangélicos se unem para criar Estado

O presidente da Frente Pró-Carajás, o deputado estadual João Salame (PPS), calcula que o “Sim” tem uma chance de vitória na casa dos 45%. Há duas semanas, ele falava em chances de 40%. “Esse 5% é o imponderável, não tenha dúvida. E o imponderável só conspira a nosso favor”, diz ele. “A abstenção deve ser levada em consideração e eu acho que conseguimos, de certa fora, passar a mensagem de que, do jeito que está, é votar para continuar (com os problemas da região)”, declarou.

“As pessoas estão insatisfeitas com a capacidade do poder público de resolver seus problemas. Eu acho que tudo isso pode contribuir. Como não é um voto em candidato, pode ter surpresa. A mudança de voto, nesse cenário, é normal”, continua o deputado. “Está claro que é dificílimo. Isso está claro desde o início. Ninguém aqui quer dourar a pílula”, finalizou.

Wilson Lima/iG
O presidente da Frente Pró-Carajás, João Salame (PPS): "Está claro que é dificílimo. Isso está claro desde o início. Ninguém aqui quer dourar a pílula"
Vote: Você concorda com a divisão do Pará?

Os dois lados: Conheça os argumentos de quem é a favor e contra a divisão do Pará

Na TV: Veja vídeos da campanha eleitoral no Pará

É ponto pacífico dentro do QG separatista que o principal imponderável é justamente a possível alta abstenção nas eleições de domingo. Na visão deles, o raciocínio é simples. Historicamente, a abstenção no Pará em primeiro turno fica na casa dos 18%. Em segundo turno, ela cresce para 25%. No caso do plebiscito, por ser uma consulta sem as características de uma eleição normal, há uma expectativa de crescimento ainda maior deste índice histórico de abstenção.

Além disso, em algumas regiões do Estado, principalmente na região metropolitana de Belém, o final de semana será de término de feriado prolongado. Nesta quinta-feira (8), é feriado de Nossa Senhora da Conceição. Na sexta-feira, foi decretado ponto facultativo em algumas repartições públicas estaduais, municipais e do poder Judiciário na região que concentra o maior eleitorado do Estado e de opinião contrária á separação.

O outro “Sobrenatural de Almeida” no qual o “Sim” aposta está em Belém. Pesquisas internas, não registradas no Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE) pelos separatistas, mostrariam que um alto número de paraenses de Belém estariam propícios a mudar seu voto contrário à divisão do Estado às vésperas do plebiscito.

Os três possíveis Estados:

Carajás:  Estado pode ser um dos mais ricos e violentos do Brasil

Tapajós: Estado será maior que Minas e Bahia, mas mais pobre que o Piauí

Novo Pará: Se for criado, Estado será tão alfabetizado quanto São Paulo

iG no Pará:

- Em coração separatista, campanha é tímida e participação, pequena

- Pai trabalha para dividir o Pará. Filha, para mantê-lo unido

O debate:

- Como ficaria o Brasil com os novos Estados

A campanha:

- Na reta final, separatistas ficam sem tempo no rádio e na TV

- Governador do Pará diz que plebiscito cria ressentimento e mágoa

- 'Não somos galos em rinha', diz governador em direito de resposta

- Movimento pede boicote a deputados que pregam divisão do Pará

- Receita dos municípios vira alvo de disputa em campanha

    Leia tudo sobre: ParáTapajósCarajásplebiscitodivisão do Parádivisao do para

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG