Na reta final, separatistas ficam sem tempo no rádio e na TV

Direitos de resposta concedidos pela Justiça contra frentes que pregam divisão do Pará tiram todo o tempo de propaganda delas

Wilson Lima, iG Maranhão |

A concessão de direito de resposta ao governador Simão Jatene (PSDB) contra a frente do Sim tirou dos separatistas suas propagandas no penúltimo dia do horário eleitoral gratuito no rádio e na televisão. A campanha em rádio e na televisão termina nesta quarta-feira (6).

Dê sua opinião: O que acha da divisão do Pará?

Os direitos de resposta foram concedidos pelo juiz eleitoral Marco Antônio Lobo Castelo Branco. Ele tirou 20 minutos do horário do Sim no rádio e dez minutos na televisão. Até o momento, foram cumpridos dez minutos do direito de resposta no horário gratuito no rádio e cinco da televisão. Na noite desta terça-feira deve ser cumprido outros cinco minutos na televisão. O juiz também concedeu direito de resposta nas inserções do Sim fora do horário eleitoral. Desde segunda-feira à noite tem sido veiculadas mensagens de Jatene no espaço destinado aos separatistas.

O setor jurídico da campanha do Sim tenta reverter na Justiça Eleitoral a decisão do magistrado. Caso não consigam, as frentes pró Carajás e pró Tapajós também não terão direito à propaganda gratuita no rádio no último dia da campanha eletrônica. “O prejuízo é enorme. Na realidade, o TRE (Tribunal Regional Eleitoral) desequilibrou o pleito”, disse o presidente da Frente da Comissão Pró-Carajás, João Salame (PPS).

A campanha:

- Campanha para o plebiscito no Pará entra na reta final

- Governador do Pará diz que plebiscito cria ressentimento e mágoa

- Movimento pede boicote a deputados que pregam divisão do Pará

- Tacacá e Belém são estrelas do início da campanha do plebiscito

- Receita dos municípios vira alvo de disputa em campanha

- Exército vai reforçar segurança durante plebiscito

Salame reclamou que a Justiça Eleitoral vem adotando critérios diferentes para conceder direitos de resposta. Recentemente, a Justiça Eleitoral negou pedido de resposta feito pelo senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) e pelo ex-senador Leomar Quintanilha (PMDB-TO) contra a propaganda do Não, após terem sido citados no comercial unionista. Nas inserções, a propaganda do Não citou os dois como políticos fora do Estado que estão interessados na divisão do Estado, mas que respondem a processos judiciais.

“Na decisão, o TRE afirmou que os dois não eram parte interessada. Mas o governador também não era parte interessada no processo. Estão utilizando dois pesos e duas medidas”, disse Salame. O iG não conseguiu contato com os juízes responsáveis pelas decisões para comentar o assunto.

No direito de resposta, o governador Simão Jatene tece várias críticas ao publicitário Duda Mendonça, afirmando que “vendedores de ilusões” não podem “destratar nossa gente como galos numa rinha”. A crítica foi uma referência a um dos hobbies de Mendonça: a participação em rinhas de galo. O publicitário foi preso em flagrante em 2004 após ser pego em uma rinha no Rio de Janeiro.

Reprodução
Plebiscito será realizado no próximo dia 11 de dezembro

    Leia tudo sobre: ParáTapajósCarajásplebiscitodivisão do Pará

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG