Adolescente de 17 anos foi morto por um grupo de detentos neste domingo; unidade de internação tem apenas 98 vagas, mas abriga mais de 170 jovens

Jovem foi morto por um grupo que também cumpria medida socioeducativa no local. Vítima da rebelião sofreu traumas
Reprodução/TV Globo
Jovem foi morto por um grupo que também cumpria medida socioeducativa no local. Vítima da rebelião sofreu traumas

Um jovem de 17 anos foi assassinado durante uma rebelião ocorrida na noite deste domingo (19) no Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) de Abreu e Lima, município da região metropolitana do Recife, em Pernambuco.  

Leia também: Chacina foi o objetivo da rebelião em Manaus, não sua consequência, diz juiz

O local, vinculado à Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase), recebe jovens com menos de 18 anos que cometeram infrações e cumprem medida socioeducativa em regime fechado. De acordo com a assessoria da Funase, o jovem foi morto durante a rebelião por um grupo que também cumpre pena no local.

O adolescente sofreu traumas na cabeça resultantes de agressão violenta. A Funase informa que o Instituto de Medicina Legal dará o laudo sobre a causa da morte e que dez adolescentes que participaram diretamente do homicídio foram identificados por meio das imagens de câmeras do circuito interno da unidade.

Dois dos envolvidos no assassinato têm mais de 18 anos e foram encaminhados ao Centro de Observação e Triagem Everardo Luna. Eles devem seguir para um presídio pernambucano. Os outros acusados foram transferidos para a Unidade de Atendimento Inicial.

Leia também: Briga entre PCC e Sindicato do crime RN deixa mortos na penitenciária de Alcaçuz

A rebelião, segundo a nota, começou por volta das 20h, quando adolescentes atearam fogo em colchões. O ato foi controlado pelo Batalhão de Choque da Polícia Militar. O Corpo de Bombeiros apagou o fogo. Uma equipe do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa esteve no local na noite deste domingo para iniciar as investigações sobre o assassinato.

Superlotação e sindicância

O Case de Abreu e Lima está superlotado, assim como a maior parte das unidades de internação de Pernambuco. O local tem 98 vagas, mas abrigava 189 adolescentes infratores no momento da rebelião. Com a morte do jovem e a transferência dos possíveis autores do crime o número de infratores passa para 178 internos, ainda acima do número de vagas.

O corpo do interno morto na noite de domingo está no Instituto Médico Legal para reconhecimento pela família. A nota da Funase diz ainda que a Corregedoria da instituição abriu uma sindicância para apurar as causas e possíveis responsabilidades do confronto. Não houve registro de fugas.

Leia também: Rebelião de RN tem 26 mortos, todos decapitados, segundo perícia inicial

No ano passado uma crise foi desencadeada no sistema socioeducativo de Pernambuco depois de várias mortes em diferentes unidades do estado, devido a casos de rebelião. Em novembro, uma comitiva presidida pelo Conselho Nacional dos Direitos Humanos fez uma visita em Pernambuco para verificar denúncias contra o sistema feitas por organizações da sociedade civil.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.