Os policiais militares conseguiram fechar duas fábricas na grande São Paulo, uma em Mauá e a segunda na Vila Marina, região de Freguesia do Ó

A Polícia Militar Ambiental do Estado de São Paulo realizou uma megaoperação para combater a produção e a soltura de balões na região da grande SP. A "Operação Balão" foi realizada em Mauá e na Vila Marina, Freguesia do Ó.

Leia Mais: Polícia Militar Ambiental fecha fábricas clandestinas de balões em São Paulo 

Polícia Militar Ambiental realiza
Divulgação/Polícia Militar
Polícia Militar Ambiental realiza "Operação Balão" e fecha duas fábricas em São Paulo

Nas ocorrências os policiais conseguiram fechar duas fábricas, fizeram apreensão de vasto material para produção de balões e ainda realizaram a prisão de dois homens, um em cada local. De acordo com a Polícia Militar Ambiental , 25 policiais em 12 viaturas participaram da ação.

Em Mauá foram apreendidos: 01 bancada de 5.8 m, 1000 folhas de seda, 02 réplicas de balões de 40 e 70 cm, 4 litros de cola, 12 varetas de antena, 01 kg de algodão, 02 carretéis de linha, fitas de vídeo e fotos de balões. Já na diligência da Vila Marina, os policiais encontraram: 1 bancada de 4 metros, 3 rolos de sisal ( corda fina), 1000 folhas papel de seda, 5 litros de cola, 2 rolos de fita, marcação de medidas para confecção de balão.

Leia mais: Polícia Militar Ambiental de SP celebra 100% de digitalização de seus processos 

Os presos foram conduzidos para 28º DP de São Paulo e para o 10º DP de Mauá. Eles terão que pagar uma multa de R$ 15 mil .

Entenda melhor os perigos dos balões ilegais

A fabricação e comercialização clandestina de balões representa multiplos riscos para a sociedade, a começar pela aviação. Balões ilegais são um verdadeiro pesadelo para os pilotos, podendo causar desde colisões até a necessidade de efetuar manobras evasivas abruptas, causando interrupção e atrasos de pousos e decolagens.

Balões ilegais também são grandes agressores da população que esta no solo, causando todo tipo de problemas, a começar pela interrupção no fornecimento de energia elétrica. É mais comum do que se imagina, esses artefatos incendários cairem sobre cabos condutores das linhas de transmissão e de distribuição de eletricidade, e até mesmo dentro de subestações, causando curto-circuitos e incendios, e tendo como conseqüência a interrupção de energia em uma grande área da cidade.

Do ponto de vista ambiental, os balões são um dos seus piores inimigos, com grande potencial ofensivo. Ao cair em matas e florestas o incendio é praticamente garantido, causando destruição não apenas a flora, mas também colocando em risco o habitat e vida de animais.

O material apreendido foi encontrado após uma denúncia anônima recebida pela Polícia Militar Ambiental
Divulgação/Polícia Militar
O material apreendido foi encontrado após uma denúncia anônima recebida pela Polícia Militar Ambiental

Além disso, os balões não tripulados também causam danos ao patrimonio publico e privado ao cair sobre edificações e causar incendios. Para piorar essa situação, verdadeiros bandos de criminosos invadem residencias, pulam muros e sobem em telhados para conseguir "troféus" e recuperar partes dos balões. Segundo a Polícia, esses bandos são verdadeiras quadrilhas organizadas que, não raramente, portam armas de fogo colocando em risco a vida do cidadão de bem.

Leia Mais: Polícia Militar Ambiental atua para afastar balões de aeroportos em São Paulo

Para a Polícia Militar Ambiental, a principal missão é apreender os balões ainda na fase de confecção, o melhor momento para reprimir o crime, evitando a situação que ocorreu na semana passada quando um balão passou perto de um avião comercial que se preparava para pousar no aeroporto de Cumbica em São Paulo.