De acordo com amigo, australiano teve surto provocado pelo uso de MDMA, droga com o mesmo princípio ativo do ecstasy

O Dia

Rye Hunt, de 25 anos, foi visto por pescador em ilha próxima à Praia do Leme, no Rio de Janeiro
Reprodução/Facebook
Rye Hunt, de 25 anos, foi visto por pescador em ilha próxima à Praia do Leme, no Rio de Janeiro

O australiano Rye Hunt, de 25 anos, que está desaparecido há 10 dias no Rio, usou drogas e entrou em surto psicótico, segundo a investigação da Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA). Com base no depoimento de Mitchell Sheppard, 22, amigo e companheiro de viagem, eles consumiram MDMA, uma droga sintética em pó com o princípio ativo do ecstasy. Um pescador viu o jovem em uma Ilha próxima da costa da Praia do Leme e buscas estão sendo feitas.   

Segundo a delegada Elen Souto, titular da DDPA, os dois consumiram a droga na Lapa na noite do dia 21. Entretanto, Rye teria cheirado a droga, que é usada diluída na água. Durante a noitada no bairro do Centro, o australiano ainda teria usado mais MDMA, também conhecida como "Michael Douglas" pelos usuários, misturado a whisky. 

De acordo com o depoimento de Mitchell Sheppard, eles estavam no aeroporto Internacional Tom Jobim, já no dia seguinte, quando Rye começou a ter um comportamento estranho.  "Ele entrou em surto e começou a desconfiar de todos a sua volta, a achar que seria morto, inclusive pelo amigo, que iria roubar o passaporte e matá-lo", disse a delegada.

O australiano fugiu do aeroporto e pegou um táxi para Copacabana, na Zona Sul. Segundo a polícia, lá ele alugou um apartamento por três dias, pagando 600 dólares. No mesmo dia, ele foi visto por um pescador na Ilha Cotunduba, a 3 km da costa de Copacabana e Leme. Um pescador ligou para a polícia e fez o registro do encontro com Rye. Segundo ele, o jovem parecia desidratado e lhe pediu água. Ainda segundo a testemunha, ele tinha ferimentos que pareciam ser de mariscos que existem na Ilha.

O Corpo de Bombeiros realiza buscas pelo mar, mas a polícia trabalha com a hipótese do australiano estar vivo. Em depoimento, o amigo informou que o jovem é um exímio nadador. Segundo a delegada, ele ainda pode estar sob o efeito da droga, que dependendo do organismo da pessoa pode ser bastante prolongado.

Rye conseguiu a droga em Buenos Aires, na Argentina, com outros amigos australianos, segundo a polícia. Ele não tem passagens pela polícia e estava fazendo um mochilão pela América no Sul, onde passaria um mês.    

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.