PF caça três integrantes da quadrilha que fraudou Mega-Sena em R$ 73 milhões

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Maior preocupação dos policiais é com a possibilidade de que os suspeitos possam tentar fugir do país

A Polícia Federal procura três envolvidos que usaram uma aposta falsa da Mega-Sena para desviar R$ 73 milhões da Caixa Econômica Federal. Trata-se da maior fraude já registrada na história do banco.

Conheça a home do Último Segundo
Suspeito de fraude na Mega-Sena comprou até avião
Acúmulos seguidos de prêmios geram teorias da conspiração

Dez mandados de busca e apreensão em Goiás, no Maranhão e Tocantins foram cumpridos nas últimas horas. Permanecem presos o gerente-geral da agência da Caixa em Tocantinópolis (TO), Robson Pereira do Nascimento, e o suplente de deputado federal Ernesto Vieira Carvalho Neto (PMDB-MA).

O filho do suplente de deputado Ernesto Vieira Carvalho Neto, com copo de bebida na mão, diz estar "jogando dinheiro fora". Foto: ReproduçãoO suplente de deputado federal Ernesto Vieira Carvalho Neto (PMDB-MA) foi preso neste sábado (19/1/2014) sob a acusação de ser o mentor de fraude contra a Caixa. Foto: Reprodução/TV AnhangueraAvião que, segundo a PF, foi comprado pelo suplente de deputado federal Ernesto Vieira Carvalho Neto (PMDB-MA) com dinheiro de desfalque na Mega-Sena. Foto: Reprodução/TV AnhangueraMárcio Xavier de Lima, em nome de quem foi aberta conta para pagamento de falso prêmio sda Mega-Sena, está foragido. Foto: ReproduçãoO gerente-geral da agência da Caixa Econômica Federal em Tocantinópolis, Robson Pereira do Nascimento, foi detido no final do ano e demitido pela instituição. Foto: ReproduçãoRelembre outras operações da PF: Quase US$ 190 mil apreendidos pela Polícia Federal em São Paulo (23/02/2014). Foto: DivulgaçãoQuase US$ 190 mil apreendidos pela Polícia Federal em São Paulo (23/02/2014). Foto: DivulgaçãoQuase US$ 190 mil apreendidos pela Polícia Federal em São Paulo (23/02/2014). Foto: DivulgaçãoAgentes da PF invadem local em cumprimento de mandado de busca e apreensão em setembro de 2013, em SP. Foto: AECarros da PF durante operação policial. Foto: DivulgaçãoPF apreende dólares e moedas estrangeiras em operação no centro de SP (2011). Foto: DivulgaçãoPolícia federal desmantela quadrilha que desviava dinheiro público . Foto: POLÍCIA FEDERAL/ DIVULGAÇÃO Operação da Polícia Federal contra pirataria de CDs em São Paulo (2012). Foto: Divulgação. Foto: ANTÔNIO CRUZ/FOLHA DA MANHÃCartões clonados apreendidos na Operação Tentáculos II, da Polícia Federal. Foto: Divulgação/Polícia FederalOperação Esopo da PF. Foto: Wesley Rodrigues/Hoje em Dia/Futura PressDroga e outros produtos foram trazidos do Paraguai. Foto: Divulgação/Polícia FederalPolícia Federal realiza Operação Rede Limpa 2. Foto: Divulgação/Polícia FederalPolícia Federal combate desvios de recursos do programa Fome Zero. Foto: Divulgação/PFOperação da Polícia Federal apreende anabolizantes contrabandeados. Foto: DivulgaçãoPrisões em operação da PF para recuperação mercadorias roubadas. Foto: AEAgentes da PF levam suspeito durante operação. Foto: AEoperacao pf rio transplante orgaos fila. Foto: WILTON JUNIOR/AEEm seu perfil, M.V.P. compartilha fotos mostrando pilhas de maços com notas de dólar e real . Foto: Reprodução


Para o delegado federal Omar Pepow é improvável que novas prisões aconteçam em breve. “Nós estamos procurando os outros envolvidos. Nos próximos dias, os advogados devem entrar com os pedidos de revogação dos mandados de prisão. Eles devem ficar escondidos enquanto os advogados trabalham”, afirmou Pepow.

O delegado disse não acreditar que os procurados tenham fugido do país, porque muitos não receberam dinheiro suficiente para isso. Segundo Pepow, no primeiro momento, as investigações se concentraram na identificação das contas que receberam valores mais altos. Agora, um levantamento das contas que receberam valores menores começará a ser feito em conjunto com a Caixa.

“Essas pessoas vão ser chamadas a explicar de onde veio o dinheiro. Por que entrou o dinheiro na conta dele? Se entrar 750 mil na sua conta, você tem que saber dizer de onde veio esse dinheiro”, disse o delegado.

No início das investigações, um homem que tinha recebido R$ 5 milhões chegou a ser preso, mas conseguiu a liberdade provisória depois de apresentar indícios de que o dinheiro pode não estar relacionado com a fraude. O delegado optou por preservar a identidade dele diante da possibilidade maior de inocência.

Segundo a PF, a quadrilha usou documentos falsos para abrir uma conta-corrente em uma agência da Caixa de Tocantinópolis (TO). Pouco tempo depois, cerca de R$ 73 milhões foram depositados na conta. Desviado do banco estatal, o dinheiro foi depositado como sendo o pagamento de um prêmio da Mega Sena que nunca existiu. Por fim, o montante foi transferido para várias contas. Em nota, a PF informou ter recuperado aproximadamente 70% do total desviado.

Leia tudo sobre: mega-senaCaixafraude

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas