bolsonaro
Reprodução
Queiroz e Flávio são investigados por uma suposta prática de “rachadinha”


Investigado por movimentações suspeitas, com a revelação recente do Ministério Público do Rio (MP-RJ) de pagamentos em espécie de contas de sua família pelo ex-assessor Fabrício Queiroz, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) divulgou nota neste sábado (20) dizendo ser "vítima de um grupo político que tem patrocinado uma verdadeira campanha de difamação". Ele, porém, não cita nomes no comunicado divulgado.

Saiba mais:

O pedido de prisão preventiva de Fabrício Queiroz, que era assessor de Flávio quando ele exercia o cargo de deputado estadual no Rio de Janeiro, aponta que o ex-auxiliar pode ter sido o responsável por até R$ 286,6 mil em pagamentos e transferências em espécie para cobrir despesas do então deputado estadual e de sua mulher, Fernanda Antunes.

"Essas pessoas têm apenas um objetivo: recuperar o poder que perderam na última eleição", diz a nota do senador. No texto, Flávio reafirma sua inocência e "garante que seu patrimônio é totalmente compatível com os seus rendimentos". Ainda segundo ele, "a verdade prevalecerá".

Os valores dos repasses feitos, segundo o MP, referem-se a pagamentos de mensalidades escolares e do plano de saúde da família de Flávio, entre janeiro de 2013 e dezembro de 2018. O MP do Rio identificou também que a esposa de Flávio recebeu ao menos um depósito em espécie de Queiroz, em agosto de 2011, no valor de R$ 25 mil. O ex-assessor precisou se identificar como autor do depósito por conta do valor elevado .

Queiroz e Flávio são investigados por uma suposta prática de “rachadinha” - isto é, a devolução de parte ou totalidade dos salários de funcionários pagos com dinheiro público, no antigo gabinete do então deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários