Eurípedes Júnior (à dir.) posa com o helicóptero do PROS
Reprodução - 26.04.2022
Eurípedes Júnior (à dir.) posa com o helicóptero do PROS

Um  helicóptero do Partido Republicano da Ordem Social (PROS), comprado com dinheiro público por R$ 2,4 milhões em 2015 — cerca de R$ 5 milhões em valores atuais —, foi localizado em um hangar na zona norte de São Paulo, após desaperecer em meio a investigações sobre uso indevido de recursos do Fundo Partidário.

Um helicóptero do Partido Republicano da Ordem Social (PROS), comprado com dinheiro público por R$ 2,4 milhões em 2015 — cerca de R$ 5 milhões em valores atuais —, foi localizado em um hangar na zona norte de São Paulo, após desaperecer em meio a investigações sobre uso indevido de recursos do Fundo Partidário.

Em meio à disputa judicial pelo comando da sigla, o atual presidente do PROS, Marcus Holanda, registrou no início do mês passado um boletim de ocorrência em que acusa seu antecessor pelo sumiço de bens da legenda avaliados em R$ 50 milhões, entre eles o helicóptero. A aeronave de prefixo PP-CHF foi fabricada em 2013, comporta quatro passageiros e tem operação negada para táxi aéreo, segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O modelo é vendido por até R$ 10 milhões, conforme sites especializados.

A intenção do PROS é leiloar a aeronave para pagar parte de dívidas e cobranças feitas pela Justiça, além de investir nas próximas eleições. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) desaprovou no início deste mês a prestação de contas do diretório nacional do PROS referentes a 2016. O colegiado determinou que o partido devolva R$ 11,25 milhões aos cofres públicos por não comprovar a compra de um avião e outros bens.

O helicóptero, encontrado em um hangar na região do aeroporto Campo de Marte com a ajuda de um ex-piloto contratado pela legenda, deve chegar nesta terça-feira a Brasília, onde passará por vistoria. Questionada, a Infraero disse que informações sobre o paradeiro da aeronave cabiam ao Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea). A organização, subordinada ao Ministério da Defesa, não respondeu até a publicação da reportagem.

A sigla pretende ainda realizar uma auditoria para subsidiar um relatório que será encaminhado ao MP e à PF. Segundo o presidente do PROS, o partido vai analisar uma série de extratos para averiguar gastos relacionados ao helicóptero diante da falta de notas fiscais.

Leia Também

"Estamos saneando todos os problemas apontados pela Justiça, Ministério Público e Polícia Federal, auditando e identificando bens que foram adquiridos de forma irregular na gestão passada para, com toda a transparência e com devido acompanhamento legal, promover a vender das mansões, prédios, aeronave, parque gráfico e automóveis para repatriar o fundo partidário e ser dada a destinação prevista em lei" disse Holanda.

Disputa pelo comando

Holanda assumiu o comando do partido em 8 de março após o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) validar uma convenção realizada em julho de 2020 que o elegeu como líder da sigla. Eurípedes, que foi afastado por suspeita de corrupção com verba do Fundo Eleitoral, contestava a legitimidade do ato. A Justiça negou há cerca de duas semanas um pedido do ex-presidente do PROS para retomar o cargo, conforme mostrou o GLOBO.

Acusado de desvio de bens e recursos do PROS e lavagem de dinheiro, Eurípedes ingressou com um mandado de segurança para voltar à presidência do partido. A desembargadora Vera Adrighi indeferiu o pedido e afirmou que não foi constatada ilegalidade no processo, conforme argumentava a defesa.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram  e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. 



    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários