Deputados apresentam PL para transformar Olavo em 'Herói da Pátria'
Reprodução
Deputados apresentam PL para transformar Olavo em 'Herói da Pátria'

deputada federal Carla Zambelli (PSL) protocolou, na abertura do ano legislativo na última terça-feira (01), um projeto de lei para inscrever o nome do escritor e autointitulado filósofo  Olavo de Carvalho no Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria, documento em que estão registrados os brasileiros que marcaram a história do país. O guru do bolsonarismo morreu aos 74 anos, nos Estados Unidos, na noite de 24 de janeiro.

O projeto é endossado por outros oito parlamentares bolsonaristas, que assinam como coautores. Entre eles, estão os deputados do PSL Major Fabiana, Carlos Jordy, Luiz Philippe de Orleans e Bragança e Daniel Silveira, que ficou preso por cinco meses por ameaçar a integridade física dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Também subscrevem o PL os deputados Coronel Tadeu, Cabo Junnio Amaral, Filipe Barros e Sanderson.

O livro dos Heróis e Heroínas da Pátria é mantido no Panteão da Pátria Tancredo Neves, na Praça dos Três Poderes, em Brasília. Nele, constam nomes como o escritor Machado de Assis, o líder Zumbi dos Palmares, revolucionária Anita Garibaldi, o primeiro presidente do Brasil, Marechal Deodoro da Fonseca, além do pai da aviação Santos Dumont e do imperador Dom Pedro I.

A homenagem, feita de aço, existe desde 7 de setembro de 1989 e tem valor simbólico na preservação da memória nacional. O livro incluía apenas 31 nomes até 2018, ocasião em que ganhou outros 21.

Na proposta, os parlamentares justificam que Olavo "era e continuará sendo saudado pela crítica como um dos mais originais e audaciosos pensadores brasileiros". Argumentam ainda que "a defesa intransigente da liberdade, a valorização da busca pelo conhecimento, e sua postura de participação cívica, o tornam merecedor desta homenagem".

"A obra de Olavo de Carvalho tem ainda uma vertente polêmica, onde, com eloquência contundente e temível senso de humor, ele põe a nu os falsos prestígios acadêmicos e as falácias do discurso intelectual vigente", afirma o documento. "Professor de gerações de brasileiros, sua obra despertou o interesse pela liberdade e por valores conservadores. Atualmente são milhares de seguidores e milhões de admiradores de seus ensinamentos e suas posições pró-liberdade", emenda.

Leia Também

Para integrar a coletânea, é necessária a aprovação pelo Senado e pela Câmara de um projeto de lei com o pedido de inclusão. Também é preciso que tenham se passado dez anos da morte ou da presunção da morte do eventual homenageado.

Em setembro do ano passado, o presidente Jair Bolsonaro (PL) sancionou uma lei que inscrevia o nome do médium Chico Xavier, considerado expoente do espiritismo. Em dezembro, o Senado aprovou um projeto para criar um Livro dos Heróis e Heroínas da Pandemia de Covid-19.

Após a morte de Olavo, Bolsonaro decretou luto oficial de um dia no país. Foi a segunda vez que o presidente publicou um decreto dessa natureza em seu governo.


O perfil oficial do governo federal abriu uma exceção e lamentou a morte de Olavo de Carvalho. Em outras perdas recentes de artistas e pensadores brasileiros, no entanto, não houve homenagens nem menções na mesma conta. Em alguns casos, a Secretaria Especial de Cultura se manifestou nas redes sociais — incluindo o do ideólogo.

Olavo de Carvalho foi diagnosticado com Covid-19 em 16 de janeiro, pouco mais de uma semana antes de morrer. A causa , no entanto, não foi confirmada.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários