Moïse Mugenyi Kabagambe tinha 24 anos
Reprodução / Facebook
Moïse Mugenyi Kabagambe tinha 24 anos

morte do congolês Moïse Kabagambe no final de janeiro foi manifestada pelos presidenciáveis Lula (PT), Ciro Gomes (PDT) e Sergio Moro (Podemos). O jovem de 24 anos foi assassinado a pauladas no Rio de Janeiro ao cobrar o salário. 

O petista se solidarizou com o caso e pediu justiça para o refugiado. "Moïse Kabagambe chegou criança ao Brasil, em 2012, e teve sua família acolhida aqui como refugiado. Nove anos depois, ao reclamar seu direito de trabalhador, foi covardemente assassinado. Devemos justiça, amparo, nossos sentimentos e desculpas para a família de Moïse", disse Lula nesta quarta-feira (02).

Na tarde de ontem (01), os também pré-candidatos a Presidência da República, Sergio Moro e Ciro Gomes, lamentaram a morte do congolês.

Moro declarou que a morte de Moïse não pode deixar que o Brasil seja visto como um país "que não tem jeito". O filiado do Podemos ainda pediu justiça.

"A morte do jovem congolês Moise Kabamgabe não pode ser mais um número para referendar a fama de um país violento “que não tem jeito”. O Brasil não pode ser um país sem lei e Justiça. Precisamos mudar a maré, fazer a lei valer para TODOS", disse Moro em suas redes sociais.

Ciro Gomes afirmou estar revoltado com o assassinato do jovem e acrescentou que a solução para casos como este é a "justiça e a punição exemplar". O pedetista concluiu se solidarizando à família e amigos de Moïse.

"Sentimento de revolta e muita dor pela morte de Moïse Kabamgabe, congolês que veio para o Brasil em busca de uma vida melhor. Um trabalhador que foi assassinado de forma brutal no Rio de Janeiro por cobrar seu salário atrasado".

Leia Também

Após lamentar a morte do migrante, Ciro voltou as redes sociais e criticou a forma como os refugiados são tratados no Brasil e o governo Bolsonaro. "O estado brasileiro precisa garantir as mínimas condições de vida para estas pessoas, sob o risco de perdermos por completo o respeito internacional e nosso status de país garantidor dos direitos humanos", escreveu.

Moïse foi espancado ao cobrar R$ 200 em um quiosque de praia por duas diárias de trabalho, segundo a família. Imagens de uma câmera de segurança mostram que o jovem foi assassinado com pedaços de madeira, além de ter sido amarrado pelos agressores no quiosque Tropicália.

Nesta quarta, a Justiça prendeu temporariamente três suspeitos do crime. Aleson Cristiano de Oliveira Fonseca, o Dezenove, Brendon Alexander Luz da Silva, o Totta, e Fábio Pirineus da Silva, o Belo, são suspeitos de homicídio duplamente qualificado, com impossibilidade de defesa e meio cruel.




    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários