Ex-assessor de Flávio Bolsonaro diz que devolvia 80% do salário a Ana Cristina

Ana Cristina Valle seria responsável por arrecadar recursos; é o segundo ex-integrante do gabinete que revela repasses em suposto esquema de ‘rachadinha’

Flávio Bolsonaro
Foto: Reprodução
Flávio Bolsonaro



Um ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) no período em que ele foi deputado estadual no Rio afirmou que entregava 80% do salário de R$ 7.326 que recebia para a advogada Ana Cristina Valle, então mulher do presidente Jair Bolsonaro.

Flávio é acusado de operar um esquema de “rachadinha” e foi denunciado pelo Ministério Público do Rio (MP-RJ) por organização criminosa, peculato, lavagem de dinheiro e apropriação indébita.  Ana Cristina, por sua vez, é investigada por um suposto esquema de funcionários fantasmas e “rachadinha” na época em que foi chefe de gabinete do vereador do Rio Carlos Bolsonaro (Republicanos). A revelação foi feita pelo portal “Metrópoles”.

É o segundo ex-assessor de Flávio que revela a devolução de salários. Em novembro do ano passado, O GLOBO mostrou que Luiz Souza afirmou ao MP-RJ que era obrigada a devolver mais de 90% do que recebia. Ela apresentou extratos bancários para comprovar que, entre 2011 e 2017, repassou R$ 160 mil para Fabrício Queiroz, que também atuou o gabinete e é outro alvo da denúncia dos promotores que atinge Flávio.


Você viu?

Marcelo Luiz Nogueira de Santos, que esteve lotado no gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) entre 2003 e 2007), diz que devolveu, ao todo, cerca de R$ 340 mil, e que a prática era condição para a manutenção do emprego. Os valores, segundo ele, eram sacados e repassados em espécie. De acordo com Nogueira, outros funcionários dos gabinetes de Flávio e Carlos também repassavam a Ana Cristina os valores — a missão de arrecadar os recursos teria ficado depois com Queiroz. Segundo ele, Flávio, Carlos e Jair Bolsonaro tinham conhecimento do que ocorria.

Também ao portal “Metrópoles”, o ex-assessor afirmou que Ana Cristina é a real proprietária da casa onde mora atualmente, no Lago Sul, região nobre de Brasília — ela diz que o imóvel é alugado. Segundo Nogueira, a advogada firmou contratos de gaveta com dois laranjas, que aparecem como titulares do negócio, com o intuito de não chamar a atenção. A nova moradia da ex-mulher do presidente, no entanto, foi revelada há uma semana pela revista “Veja”.

Você viu?

Nogueira trabalhou na casa em Brasília entre fevereiro e junho deste ano e vem deste período a terceira acusação contra Ana Cristina. Ele afirmou ao Ministério Público do Trabalho (MPT) que trabalhava sem carteira assinada, que a situação era análoga à escravidão e que recebia um salário inferior ao que havia sido combinado (R$ 1,3 mil no lugar de R$ 3 mil). Antes, ele já havia trabalhado na casa de Ana Cristina em Resende, no sul do estado.

Ana Cristina e Carlos tiveram os sigilos bancário e fiscal quebrados pela Justiça do Rio na investigação que apura a existência de funcionários fantasmas e a suposta prática de rachadinha.

Ao “Metrópoles”, a defesa de Flávio Bolsonaro afirmou que desconhece as afirmações do ex-assessor e que o parlamentar não tem ciência de supostas irregularidades que possam ter sido cometidas por ex-funcionários de seu antigo gabinete na Alerj. As defesas de Carlos e Ana Cristina não foram localizadas.