Senador considera que as instituições brasileiras são
Reprodução
Senador considera que as instituições brasileiras são "robustas" para suportar uma tentativa de ruptura

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), suplente na CPI da Covid, declarou neste sábado (21) que o  presidente Jair Bolsonaro (sem partido) poderá parar na cadeia caso leve adiante um plano de ruptura democrática. "São poucos crimes que são mais graves que uma tentativa de golpe. A consequência é a cadeia." As informações são do portal Congresso em Foco.

Em um provável cenário de golpe, Vieira avalia que o mandatário brasileiro não teria sucesso na sua tentativa, pois as instituições brasileiras são "robustas o suficiente para suportar esse desafio".

Leia: Jair Bolsonaro e Carlos participaram de esquema de 'rachadinha', revela site

"Tentar é possível sim e acredito que vai gerar um trauma nacional muito grande. São poucos crimes que são mais graves que uma tentativa de golpe. A postura dele é muito baseada no seu desejo de permanecer no poder, seja através de uma reeleição ou seja através do golpe", avalia o senador.

Membro da CPI da Covid - comissão que investiga as omissões por parte do governo federal na condução da pandemia -, Vieira acredita que já existem fatos que atestem para a participação direta de Bolsonaro em diversos crimes. Na visão do parlamentar, o relatório final do colegiado não resultará em um impeachment do presidente, mas o grupo atingiu um resultado positivo ao influenciar nas decisões do Planalto.

Você viu?

Saiba mais: TSE decide que 'rachadinha' pode resultar em inelegibilidade

"O governo reduziu um pouco a desinformação, acelerou a compra e distribuição de vacinas com fornecedores sérios e cancelou todos os aventureiros que estavam ali circulando no Ministério da Saúde. Tivemos um resultado muito positivo nesse sentido", diz Alessandro.

Alessandro ressalta, ainda, que a CPI irá concluir seus trabalhos antes do prazo final - no início de novembro. Após o encerramento da comissão, o parlamentar pretende apresentar ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), um projeto de capacitação dos senadores para futuras equipes de fiscalização.


"Acredito que nós vamos conseguir cumprir os objetivos da CPI antes do prazo final. A expectativa é que dentro do mês de setembro conseguiremos ter uma conclusão com relatório sólido, respeitado, com informações verdadeiras. Após a CPI, vai ser apresentada uma proposta ao presidente Pacheco [Pacheco] para que se crie e treine uma equipe própria do congresso, do Senado para que possa assessorar e garantir que esse trabalho seja mais eficiente, mais transparente"

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários