Ministra da Secretaria de Governo, Flávia Arruda
Reprodução: iG Minas Gerais
Ministra da Secretaria de Governo, Flávia Arruda

O Ministério Público pediu nesta segunda-feira (12) que a nomeação da deputada Flávia Arruda como ministra da Secretaria de Governo pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) seja apurada pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Arruda é suspeita de participar de um esquema de corrupção em uma ONG na qual foi presidente, o Instituto Fraterna, que foi alvo de buscas da Polícia Federal em 2009. Na época, a deputada não foi oficialmente investigada.

O subprocurador Lucas Rocha Furtado, responsável pela representação, alega que a decisão de Bolsonaro de indicar a parlamentar seria uma forma “de agradar” o líder da Câmara, Arthur Lira :

“A nomeação de pessoa suspeita de corrupção demonstra claramente a tentativa do presidente da República de agradar o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, réu por corrupção, que pode a qualquer momento colocar em votação na Câmara assuntos que desagradam Bolsonaro, como os mais de 100 pedidos de impedimento contra ele”, escreve o subprocurador.

Você viu?

Flávia foi anunciada no cargo no final de março. O ministério que ela ocupa é o responsável por fazer as articulações politicas entre o Palácio do Planalto e o Congresso Nacional.

Outro fato que fez com que a indicação de Flávia Arruda fosse apurada se dá pelo fato da ligação dela com o presidente da Câmara , Arthur Lira, espécie de padrinho da deputada.

"Por mais que se possa defender que a Secretaria de Governo é um cargo de livre nomeação e de confiança do presidente da República, a discricionariedade dessa decisão não pode ser confundida com total liberdade de decisão", defende Lucas Furtado.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários