Paulo Medina, ex-ministro do STJ
Divulgação/STJ
Paulo Medina, ex-ministro do STJ

O ex-ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Paulo Medina morreu neste sábado (3) vítima da Covid-19 , doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2). O magistrado tinha 79 anos e foi integrante da Corte de 2001 a 2010, quando se aposentou.

"O Superior Tribunal de Justiça presta suas condolências à família do ministro Paulo Medina, que atuou no tribunal por nove anos. Que Deus, em sua infinita misericórdia, console a todos pela inestimável perda", disse o ministro Humberto Martins, presidente do STJ, por meio de nota.

Nascido em Rochedo de Minas, Paulo Medina foi vereador do município de 1961 a 1965. Ele era bacharel em Direito pela Universidade Federal de Juiz de Fora na turma de 1965 e advogou até 1968, quando foi aprovado no concurso para juiz de Direito, atuando em várias comarcas mineiras.

Em 1985, também tornou-se juiz do Tribunal de Alçada local e, em 1991, desembargador do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).

Você viu?

Medina ainda foi presidente da Associação dos Magistrados Mineiros (Amagis), de 1993 a 1995; da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMG), de 1995 a 1997; e da Federação Latino-Americana de Magistrados (FLAM), de 1997 a 1999.

O advogado criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, também lamentou a morte de Medina e disse que ele era "um homem honesto, simples, correto que morreu hoje de Covid mas, na verdade, já havia morrido com a injustiça que se abateu sobre ele".

"Tive a alegria de advogar para ele e continuo com a firme certeza de que era absolutamente inocente. Nunca tinha falado com ele, a não ser quando distribuía memoriais em audiência, e quando do escândalo. Ele me ligou e, eu me lembro, fui a casa dele, ele abriu a porta chorando e me disse: 'Não tenho como pagar seus honorários, mas eu confio no senhor como advogado'", escreveu Kakay em comunicado enviado a jornalistas.


"Durante todo o processo ele se portou com muita dignidade. E neste processo eu me convenci da importância do juiz de garantias, inclusive nos tribunais. O relator do processo, ministro Peluso - meu amigo - recebeu o Procurador-Geral mais de 50 vezes e determinou toda sorte de medidas e, digo sem medo de errar - até porque disse da Tribuna do Supremo - ficou impregnado com o caso. Agiu como um acusador", acrescentou.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários