Deputado bolsonarista Major Vitor Hugo (PSL)
Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr
Deputado bolsonarista Major Vitor Hugo (PSL)

O líder do PSL na Câmara dos Deputados, Major Vitor Hugo (GO) , tenta emplacar nesta terça-feira (30) o dispositivo de Mobilização Nacional, um projeto que amplificaria os poderes do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante a pandemia e esvaziaria o de prefeitos e governadores.

Major Vitor Hugo e Hugo Mota (Republicanos-PB) assinaram um pedido para que a proposta tramite em urgência na Câmara. A rejeição na Casa foi grande.

Ao  iG , o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) disse que o projeto é "inconstitucional" e que, por isso, não será votado.

"O objetivo de Bolsonaro não é e nunca foi combater a pandemia, ele quer se aproveitar a crise para estabelecer um estado de exceção. É uma proposta de fanáticos que sempre desprezaram a vida", disse, por meio de sua assessoria.

Além de Freixo, figuras como o ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), Kim Kataguiri (DEM-SP), Marcelo Freixo (PSOL-RJ) e Jorge Solla (PT-BA) e Fábio Trad (PSD-MS) rechaçaram a proposta nas redes sociais.

"Bolsonaro está cada vez mais parecido com Chávez e Maduro. Logo mais começam a expropriar. E muita gente, na elite principalmente, acha que é uma opção contra o PT. É muito mais do que isso. Um autoritário sempre será autoritário", disse Maia.

Os líderes do MBL (Movimento Brasil Livre) Arhur do Val (Patriotas-SP) e Kim Kataguiri (DEM-SP) também se manifestaram.

"Ao mesmo tempo que a Câmara consegue assinaturas para a urgência de um projeto que abre espaço para o golpe de Bolsonaro, os três comandantes das Forças Armadas anunciam que vão deixar seus cargos. Sinais ruins demais para a democracia", disse Kataguiri .

"Comandantes de exército, marinha e aeronáutica trocados um dia após trocar o Ministro da Defesa. Ex-Ministro da Defesa saindo porque presidente queria apoio para Estado de Sítio. Aprovado no Colégio de Líderes a pandemia como mobilização naciona. O Brasil fede a golpe!", disparou Arthur do Val.

Você viu?

Fábio Trad , deputado federal pelo Partido Social Democrático (PSD), diz que a Mobilização Nacional não foi criada para disciplinar crise sanitária, mas situação de guerra. "O PL 1074/2021 pode ser manipulado para a inadmissível tentativa de concentração absoluta de poderes por parte do Executivo, excluindo governadores e prefeitos do combate à pandemia", complementa o deputado.


O que diz o decreto de mobilização nacional na pandemia

O texto diz que esse estado pode ser decretado pelo Executivo caso haja autorização do Congresso,ou decretado e apenas referendado pelo Legislativo, se for no período de recesso.

Art. 1o  Esta Lei dispõe sobre a Mobilização Nacional a que se refere o inciso XIX do caput do art. 84 da Constituição Federal e cria o Sistema Nacional de Mobilização – SINAMOB.

Art. 2o  Para os fins desta Lei, consideram-se:

I – Mobilização Nacional o conjunto de atividades planejadas, orientadas e empreendidas pelo Estado, complementando a Logística Nacional, destinadas a capacitar o País a realizar ações estratégicas:

  • a) no campo da Defesa Nacional, diante de agressão estrangeira;
  •  b) no campo da Saúde Pública, diante de situação de emergência de saúde pública de importância internacional decorrente de pandemia; e
  • c) no campo da Defesa Civil, diante de catástrofes de grandes proporções, decorrentes de eventos da natureza combinados ou não com a ação humana.

Para o projeto ser aprovado, é necessário que haja maioria dos votos dos deputados presentes na sessão para serem aprovados na Câmara, além de maioria no Senado. Caso aprovado nas duas Casas, segue para sanção presidencial.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários