Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores
Alan Santos/PR
Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores

O ministro das Relações Exteriores,  Ernesto Araújo , negou que nesta quarta-feira (20) que um problema político-diplomático estaria atrapalhando a importação de insumos farmacêuticos para a produção de doses de vacinas contra a Covid-19 no Brasil e disse que o empecilho ocorre pela alta demanda mundial.

Com o País enfrentando dificuldades para receber a matéria-prima dos imunizantes, o Instituto Butantan  e a  Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) ainda aguardam a chegada dos materiais para iniciar a produção dos imunizantes no País.

No caso do Butantan, já estão prontas outras 4,8 milhões de doses além das 6 milhões que já foram aprovadas para uso emergencial pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Agora, porém, o instituto está parado em sua produção .

O vice-presidente, Hamilton Mourão, também em declaração nesta quarta, disse que há um "movimento positivo" para que as tratativas avancem.

"Temos relação madura, construtiva, muito correta, tranquila com a China", disse Araújo ao participar de uma reunião fechada com deputados, por videoconferência. "Não é um assunto político. É assunto de demanda por um produto", disse o chanceler brasileiro.

Você viu?

Araújo ainda afirmou que a importação da Índia de 2 milhões de doses prontas da vacina desenvolvida pela Universidade Oxford e o laboratório AstraZeneca está "bem encaminhada''.

O governo brasileiro chegou a preparar um avião na semana passada para buscar o imunizante, mas o país asiático negou a liberação imediata. Após o cancelamento, a aeronave acabou sendo utilizado para transportar cilindros de oxigênio a Manaus. Araújo não apontou data para nenhuma das importações.

O ministro disse que desde dezembro o governo federal conversa com a China para liberar o insumo de produção. "Outros países que precisam de IFA (insumo farmacêutico ativo) da China estão basicamente na mesma situação. Inclusive países europeus. Acho que estamos bem colocados nessa situação. Claro que queríamos já ter aqui os insumos. Todo o processo está avançando", disse o ministro. 

Apesar da relação conflituosa com a China, inclusive em episódios envolvendo o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), Araújo disse que o governo brasileiro não percebe entrave político para as importações.

"Não identificamos nenhum problema de natureza política em relação a esses insumos provenientes da China. Nem nós, Itamaraty, nem nossa embaixada em Pequim identificaram problemas de natureza política, diplomática. Nossa análise é de que há demanda muito grande por estes insumos", afirmou.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários