Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores
Marcos Corrêa/PR
Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores

O governo federal já assume que os ataques de autoridades brasileiras à China atrapalham a importação dos ingredientes para a produção de doses de vacinas contra a Covid-19 no Brasil. Segundo integrantes do alto do escalão do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), envio desses insumos está travado por causa relação conturbada com o país asiático. As informações são da CNN Brasil .

Bolsonaro teve uma reunião nesta segunda-feira (18) com vários ministros fora da agenda oficial. O tema desse encontro foi justamente a demora no envio desses materiais.

O temor do Instituto Butantan , responsável pela produção CoronaVac no Brasil, e também de integrantes do governo de São Paulo é o de que o impasse diplomático impeça a chegada do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA). Essa é a principal matéria-prima para a produção de doses do imunizante.

A mesma preocupação atinge integrantes dos ministério da Saúde e de Economia, que acompanham as negociações da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) com os chineses para compra do IFA que permite a produção da vacina de Oxford, desenvolvida em parceria com a farmacêutica AstraZeneca.

Você viu?

Agora, para reduzir esses danos, integrantes do governo afirmam que há um esforço de reaproximação com o governo chinês. Por enquanto, o próprio chanceler Ernesto Araújo tem mantido contato diário com o seu correspondente chinês.

O ministro já criticou várias vezes a China, mas ele teria mudado essa postura em nome das negociações para a importação dos materiais. Araújo também tem mantido contato com o governo indiano para tentar destravar a vinda de 2 milhões de doses da vacina de Oxford produzidas pelo Instituto Serum.

Integrantes da equipe econômica e do Ministério da Saúde ressaltam que os insumos para a produção da vacina de Oxford comprados da China deveriam ter chegado ao Brasil até dezembro, mas que "incidentes diplomáticos" acabaram atrasando.

Um desses incidentes, segundo auxiliares dos ministros Paulo Guedes e Eduardo Pazuello, teria sido o ataque do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) ao embaixador da China em Brasília, Yang Wanming, em novembro do ano passado.

O parlamentar, que é filho do presidente brasileiro, acusou o Partido Comunista Chinês de espionagem, ao falar sobre a adesão do Brasil à chamada Clean Network (Rede Limpa), articulada pelos Estados Unidos junto a outros países e cujo objetivo é banir a Huawei dos serviços de tecnologia 5G.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários