General Eduardo Pazuello%2C ministro da Saúde
Carolina Antunes/PR
General Eduardo Pazuello, ministro da Saúde

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello , vai ser demitido após o início da aplicação das primeiras doses das vacinas contra a Covid-19 no Brasil. Militar da ativa, o general deve ser substituído pelo líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP), que já ocupou o comando da pasta durante a gestão do ex-presidente Michel Temer . A informação é da jornalista Thaís Oyama.

Alçado ao comando do ministério para substituir Nelson Teich, o general não tem formação na área da Saúde , mas foi escolhido por conta de seus conhecimentos em logística. A avaliação era a de que Pazuello teria sucesso na compra de insumos necessários para o combate à Covid-19, como respiradores, máscaras, luvas, agulhas e seringas.

Outro fator que contribuiu para a escolha foi a sua atuação na Operação Acolhida , que atendeu refugiados venezuelanos em Roraima.

Pazuello, porém, começou a sofrer desgaste maior após várias  idas e vindas na definição do plano de imunização da população brasileira e, em episódio mais recente, falhou em comprar insumos para garantir a aplicação do imunizante. Das 331 milhões unidades necessárias de seringas, o governo conseguiu comprar até agora apenas 7,9 milhões.

Mas esse acontecimento recente não é o único que gerou más avaliações à gestão de Pazuello no Ministério da Saúde. De acordo com reportagem do jornal O Estado de São Paulo , quase  7 milhões de testes para diagnóstico do novo coronavírus (Sars-CoV-2) venceriam entre este mês e janeiro sem terem sido utilizados. Os itens, que estavam represados no aeroporto de Guarulhos, acabaram tendo a validade estendida.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários