Bolsonaro
Isac Nóbrega/PR
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido)


O ex-assessor parlamentar de Flávio Bolsonaro e amigo intimo de Jair Bolsonaro, o polícial militar aposentado Fabrício Queiroz foi preso na manhã desta quinta-feira (18), em Atibaia. O caso da rachadinha no gabinete do então deputado estadual Flávio é uma das várias investigações que formam um cerco ao presidente da República por envolver familiares, aliados e apoiadores.


A operação conjunta da Polícia Cívil e do Ministério Público de São Paulo que culminou na prisão de Queiroz parte da investigação da rachadinha na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, esquema caracterizado pela coação de assessores parlamentares para que devolvam parte dos salários ao deputado. Queiroz seria o responsável pela articulação do esquema e pelo recolhimento do dinheiro para Flávio Bolsonaro.

Além dessa operação, que preocupava Jair Bolsonaro desde o começo do mandato, por atingir um membro da família, o presidente lida ainda com investigações sob o filho Carlos Bolsonaro por conta de um esquema de funcionários fantasmas nas Câmara Municipal do Rio e com dois inquéritos instalados no Supremo Tribunal Federal (STF) que investigam envolvidos na convocação de atos antidemocráticos e disseminação de fake news e ataques aos ministros da suprema corte. Em ambos os casos, apoiadores e até mesmo o ministro Abraham Weintraub são alvos.

Funcionários fantasma

O Ministério Público do Rio de Janeiro investiga desde de setembro do ano passado o gabinete do verador Carlos Bolsonaro (Republicanos) pela realização da mesma prática de rachadinha que o irmão Flávio e pela suspeita de uso de funcionários fantasmas.

Fake News

O presidente do STF Dias Toffoli ordenou em março de 2019 a abertura de inquérito para investigar a existência de uma rede de fake news criada para atingir membros da corte. No mesmo ano foi instaurada no Congressso a CPMI das Fake News para investigar o susposto gabinete do ódio e uma rede de apoiadores do Bolsonaro envolvidos com a disseminação de mentiras para atacar adversários.  O jornal Folha de S.Paulo publicou uma matéria que revela que a PFidentificou Carlos Bolsonaro com um dos articuladores do esquema criminoso.

Atos antidemocráticos

O ministro Alexandre de Moraes é realtor de inquérito que investiga atos pró-golpe realizados no dia 19 de março. A investigação teve iniciou a pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras que visa apurar a possível violaação da Lei de Segurança Nacional. As manifestações podem atentar contra o regime democrático brasileiro. Empresários, deputados e blogueiros bolsonaristas são suspeitos de terem organizado e financiado os atos. 

Caso Marielle

Jair Bolsonaro foi colocado sob investigação no caso sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco depois de um porteiro do condominio onde o presidente morava antes de assumir à Presidência ter denunciado a presença dos criminosos, que desejavam visitar a casa do presidente no dia do assassinato. Porém, o Ministério Público descartou as declarações do porteiro porque não condiziam com as investigações.

    Veja Também

      Mostrar mais