homem de terno e gravata falando em microfone
.Carolina Antunes/PR - 11.7.19
Alexandre Ramagem

Em depoimento dado nesta terça-feira, o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Instituicional (GSI), Augusto Heleno, confirmou que o diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem, se reúne "corriqueiramente" com o presidente Jair Bolsonaro e disse que a "amizade" entre eles "vem da época em que o presidente sofreu o atentado, e Alexandre Ramagem assumiu sua segurança".

Ramagem havia sido o nome escolhido por Bolsonaro para comandar a Polícia Federal no lugar de Maurício Valeixo, diretor indicado pelo ex-ministro Sergio Moro. Sua indicação, porém, foi barrada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, que entendeu haver "desvio de finalidade" pela proximidade com a família do presidente. Em seu depoimento, Heleno confirma uma relação de proximidade entre Bolsonaro e Ramagem.

Leia também: AGU diz que entregou ao STF exames de Bolsonaro do coronavírus

No início do depoimento, Heleno minimiza essa relação, afirmando que havia entre ambos "uma relação que não extrapola os limites de uma vinculação profissional entre chefe e subordinado". Depois, questionado pela defesa de Sergio Moro, afirmou que a “amizade [...] vem da época em que o presidente sofreu o atentado e Alexandre Ramagem assumiu sua segurança”. O ministro disse que, como Ramagem realizou segurança pessoal de Bolsonaro na campanha presidente de 2018 “é natural que haja proximidade tanto com o presidente como seus filhos”. Uma foto de Ramagem ao lado do vereador Carlos Bolsonaro no Réveillon de 2018 para 2019 foi publicada em uma rede social do filho do presidente e veio a público após a indicação de Ramagem.

Questionado se o presidente e Ramagem se encontram corriqueiramente, disse que “sim”. Sobre a indicação do delegado para comandar a PF, Heleno defendeu Bolsonaro e disse que "é natural" que o presidente queira "optar por uma pessoa mais próxima".

Leia também:STF dá 48h para partes se manifestarem sobre retirada de sigilo de vídeo

No depoimento, Heleno também afirmou que os relatórios de inteligência solicitados por Bolsonaro não diziam respeito a inquéritos sigilosos em andamento. O ministro disse ainda não se recordar do fato relatado por Moro, de que em uma ocasião Heleno teria concordo com o então ministro da Justiça de que os relatórios solicitados por Bolsonaro não poderiam ser fornecidos.

    Veja Também

      Mostrar mais