Na última terça-feira (21), o governador de São Paulo João Doria (PSDB-SP) concedeu uma entrevista. Durante o papo, o mandatário falou sobre pandemia do novo coronavírus (Sars-coV-2), os atritos com o atual presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e a relação com o ex-presidente Luíz Inácio Lula da Silva (PT).

Leia também: Roberto Carlos recomenda uso de máscaras de proteção devido Covid-19

Governador de São Paulo João Dória arrow-options
Agência Brasil
Governador de São Paulo João Dória

"Vamos enunciar algumas dessas medidas amanhã, quarta-feira (22), mas não vamos detalhá-las, porque vamos seguir os passos da ciência, que orienta fazer isso mais adiante. Primeiro, vamos medir o resultado do isolamento, se a população está respondendo bem. Até aqui diria que, na média, sim. Mas é importante que ela continue para alicerçar este programa que virá depois da quarentena, após 10 de maio", iniciou João Dória sobre o plano de saída à Folha .

Leia também: Tom Hanks diz que sua mulher passou mal em tratamento com cloroquina

"Segundo: analisar quantas pessoas estarão infectadas nas próximas duas semanas e quantas infelizmente virão a óbito. Terceiro: capacidade de atendimento e suporte da saúde pública e privada no estado de São Paulo. Isso será diário, e a troca de informação entre a saúde e a economia serão ainda mais intensas", continuou.

"Por isso, amanhã [quarta] nós vamos dar o enunciado para a população, mas os detalhes e as fases deste protocolo, que será heterogêneo, só serão anunciados no dia 8 de maio", completou.

Leia também: Jornalista da Globo morre de Covid-19; ele estava internado desde março

Questionado se está arrependido de ter votado em Jair Bolsonaro , o governador não negou. "Sim [estou]. Fiz campanha me posicionando contra esquerda, o PT.Mas não tinha a perspectiva de ter um presidente que pudesse vir a ter comportamentos tão irresponsáveis, tão distantes da verdade, tão condenáveis sobretudo numa situação de pandemia como essa".

Falando em PT, recentemente João Doria trocou declarações afáveis com Lula . indagado se não tem medo de que isso influencie em sua campanha para 2022, ele não pestanejou. "Não estou preocupado com 2022. Estou preocupado em salvar vidas, e, na sequência, recuperar a economia. Não há sentido político, eleitoral, ideológico no que tenho feito, e tenho certeza que os que estão no caminho certo têm este sentimento".

    Veja Também

      Mostrar mais