Ministro da Justiça Sérgio Moro pandemia coronavírus
Agência Brasil
Ministro da Justiça, Sérgio Moro

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro, afirmou a auxiliares que a pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2) é “uma crise de saúde, não é uma crise de segurança. Não tem como prender o vírus”, segundo divulgado nesta terça-feira (14) pela revista Veja

Leia também: Coronavírus no Brasil: acompanhe a situação no País em tempo real

Moro tem sido criticado por apoiadores de Jair Bolsonaro (sem partido) por não se manifestar a favor do presidente. Mas o ministro tem defendido que, neste momento, as medidas de combate à pandemia devem ser concentradas pelo Ministério da Saúde e depois o da economia.

Bolsonaro chegou a falar a um interlocutor que Moro é “egoísta” e“só cuida dos próprios interesses”, segundo a revista. Para o presidente, o ministro poderia exercer um papel de conscientização para a população e para atores políticos. O juiz, no entanto, evita endossar o discurso de Bolsonaro ou a manifestar opiniões polêmicas envolvendo medidas de contenção a doença.

O ministro da Justiça e da Segurança Pública disse a interlocutores nos últimos dias que se sente injustiçado pela cobrança que vem recebendo e os pedidos para que ele seja mais ativo durante a crise.

Leia também: De gripezinha a "não é tudo isso": vezes em que Bolsonaro minimizou coronavírus 

Para auxiliares, Moro afirmou que terá uma participação mais concreta se houver convulsão social na área de segurança pública. A equipe do ministro considerado difícil, mas possível, um cenário em que a população promova saques. Contudo, caso isso ocorra, o Ministério já possui um plano de contingência em que prevê a utilização da Forças Armadas para conter manifestações violentas.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários