Panelaços contra Bolsonaro ocorrem desde a semana passada
Wikimedia Commons/Francis Bourgouin
Panelaços contra Bolsonaro ocorrem desde a semana passada

Partidos de esquerda, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e estudantes agendaram para a próxima terça-feira (31) o que eles chamaram de “maior panelaço da quarentena”. O manifestação, feita das janelas de casas e apartamentos já que a maior parte do Brasil está em isolamento devido ao coronavírus, será em defesa do SUS e da democracia. 

Leia também: Coronavírus no Brasil: acompanhe a situação no País em tempo real

Os partidos de esquerda que apoiaram o panelaço foram o PT, PSOL e PCdoB. As lideranças desses partidos realizaram reunião por videoconferência nesta terça-feira (24) com o MST, o MTST e a União Nacional dos Estudantes (UNE). Alguns líderes de centrais sindicais também participaram.

O grupo também planeja lançar um abaixo-assinado pedindo a taxação de fortunas com o objetivo de arrecadar recursos para o sistema de saúde . Pelos cálculos realizados por eles, seria possível captar R$ 50 bilhões por meio de tributos. Segundo eles, esse valor seria maior do que se os fundos partidário e eleitoral fossem arrecadados para ajudar na crise gerada pelo coronavírus.

Leia também: Profissionais de enfermagem são agredidos a caminho do trabalho em São Paulo

Atos contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) estão ocorrendo diariamente desde a semana passada em capitais brasileiras. Entre as lideranças políticas que participaram da reunião chamando pelo panelaço na quarentena estão: Gleisi Hoffman, presidente do PT, Juliano Medeiros, do PSOL, e Guilherme Boulos, do MTST.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários