Valor seria transferido da Petrobras para o combate à pandemia de coronavírus
Agência Brasil
Valor seria transferido da Petrobras para o combate à pandemia de coronavírus

O governo informou ao Supremo Tribunal Federal (STF) concordar com a proposta de destinar recursos recuperados da Petrobras , a partir da Operação Lava Jato , para ações de combate ao novo coronavírus . O aval foi dado pela Advocacia-Geral da União (AGU) neste sábado (21).

"Ante o exposto, tendo em vista a grave situação de saúde pública e a essencialidade da destinação de recursos para o custeio de medidas de enfrentamento da pandemia na proteção da coletividade, a Advocacia-Geral da União manifesta sua concordância com a proposta formulada", diz o despacho assinado pelo ministro chefe da AGU, André Mendonça, pelo procurador-geral da Fazenda Nacional, José Levi Mello do Amaral Júnior, e também pela secretária-geral de Contencioso da AGU, Izabel Vinchon Nogueira de Andrade.

O pedido foi feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR) na quinta-feira, e sugere que R$ 1,6 bilhão seja investido exclusivamente em ações para conter a doença no país. A proposta do Ministério Público Federal é que a verba, que seria destinada a ações do Ministério da Educação, passe a ser administrada pelo Ministério da Saúde.

Leia também: Doria decreta quarentena no estado de SP até o dia 7 de abril

Nesta sexta-feira, a Câmara e o Senado já haviam informado ao Supremo concordar com o pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras.

Você viu?

Em ofício enviado ao ministro Alexandre de Moraes, relator da proposta na corte, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que “o enfrentamento da situação inédita de calamidade pública que assola o país e o mundo certamente exige medidas de urgência e união de esforços, daí exsurgindo a relevância da realocação de recursos com a qual ora se anui".

À frente dos trabalhos no Senado, por conta do isolamento do presidente Davi-Alcolumbre (DEM-AP), o vice-presidente da Casa, Antonio Anastasia (PSD-MG), também deu aval ao pedido de Aras.

Relator da proposta no Supremo, o ministro Alexandre de Moraes decidiu que a PGR teria de ter o aval das instituições que participaram do acordo — Câmara, Senado e Advocacia-Geral da União — para pedir o repasse dos valores.

Leia também: Coronavírus: estados apontam 987 infectados e 12 mortos no Brasil

De acordo com ele, a negociação se fez necessária porque o acordo já foi validado e transitou em julgado, sem mais chance de recursos. "O trânsito em julgado da decisão homologatória impede a adoção de medidas, por parte dessa relatoria, em desacordo com o teor do acordo sobre destinação de valores", afirmou.

"A análise dos pedidos realizados, entretanto, depende de prévio requerimento conjunto de todos os signatários do acordo", completou.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários