Em escala em Boa Vista (RR), a caminho dos Estados Unidos , o presidente Jair Bolsonaro convocou a população a participar de manifestações de rua a favor do governo, e afirmou que "quem tem medo de movimento de rua não serve para ser político". Bolsonaro, porém, disse que os atos não são contra o Congresso e nem contra o Judiciário .

Leia também: Nasceu: após nove meses de interdição, Avenida Niemeyer é reaberta

Presidente Jair Bolsonaro
Carolina Antunes/PR
Presidente Jair Bolsonaro


Originalmente, o alvo das manifestações era o Congresso e o STF. O presidente convocou em vídeo a manifestação, citando as duas instituições. A reação da sociedade civil levou aliados a trabalharem para mudar o viés das manifestações.

O assunto já havia provocado desgaste desde que Bolsonaro compartilhou, por um aplicativo de celular, uma mensagem de convocação às manifestações. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), manifestou-se depois afirmando que "criar tensão institucional não ajuda o país a evoluir".

No evento em Boa Vista, Bolsonaro discursou em defesa das manifestações e compartilhou o vídeo em suas redes sociais. "Dia 15 agora, tem um movimento de rua espontâneo e o político que tem medo de movimento de rua não serve para ser político. Então participem, não é um movimento contra o Congresso, contra o Judiciário, é um movimento pró-Brasil . É um movimento que quer mostrar pra todos nós, presidente, Poder Executivo, Poder Legislativo, Poder Judiciário, que quem dá o norte para o Brasil é a população", afirmou.


Em outro trecho, o presidente afirma que o movimento não é contra a democracia. "Quem disse que é um movimento contra a democracia está mentindo e tem medo de encarar o povo brasileiro", disse.

Os atos foram marcados por apoiadores do presidente em defesa do governo, dos militares e contra o Congresso. A mobilização ganhou força depois que o ministro Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), ter atacado parlamentares, acusando-os de fazer "chantagem" em uma votação no Congresso.

Na ocasião, parlamentares e lideranças políticas de diversos partidos reagiram com críticas. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso classificou o episódio como "uma crise institucional de consequências gravíssimas".

Leia também: Dois homens de 70 anos são presos suspeitos de assassinato

O ex-presidenciável Ciro Gomes (PDT) ressaltou que é "criminoso" incitar a população com "mentiras contra as instituições democráticas" e pediu reação do Congresso. No evento deste sábado, Heleno também discursou e afirmou que o governo tem sido alvo de retaliações por estar atuando contra a corrupção. "A rede de corrupção que se criou nesse país e está sendo desbaratada nesse governo tem prejudicado planos espúrios", afirmou o ministro.

    Veja Também

      Mostrar mais