Marcelo Crivella
Ascom/Prefeitura do Rio de Janeiro
Prefeito do Rio de Janeiro Marcelo Crivella

Em um vídeo publicado nas redes sociais, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella , se defendeu das críticas após ter culpado parte da população pelos problemas das enchentes . Ao lado de Djalma Antonio de Souza Filho, subsecretário de Proteção e Defesa Civil, o prefeito afirmou que deturparam sua fala, e que apenas fez um "apelo para que não joguem lixo nas encostas".

"Ficam deturpando aquilo que a gente fala. Fizemos um apelo para a população não jogar lixo nas encostas. Quando chove, cai o lixo todo, corre para os rios que entopem. E quando chegam numa ponte, ela acaba se transforma numa barragem. Não deixa passar esse lixo que entope, não deixa passar uma grande quantidade de água e acaba inundando a casa das pessoas. O apelo que eu fiz foi esse, para que não joguem lixo nas encostas, bueiros e rios porque todo o Rio vai sofrer", disse.

Na manhã desta segunda, Crivella foi hostilizado por moradores do bairro do Barata, em Realengo, quando visitava o local, que foi duramente castigado pelo temporal. Um morador chegou a arremessar umabola de lama no rosto do prefeito quando ele dava uma entrevista para a imprensa. Desde o início, o prefeito ouviu reclamações de moradores, mas os ânimos se acirraram após ele afirmar que grande parte da população é a culpada.

"A culpa é de grande parte da população, que joga lixo nos rios frequentemente", afirmou Crivella, que repetiu essa frase várias vezes durante a entrevista. "Chuva no Rio é sempre um problema, mas o pior é o lixo. Temos excesso de lixo nos rios, bueiros e encostas, e, quando vem a chuva, tudo desce. As chuvas são um problema, mas dessa vez nem foram as piores que enfrentamos."

Leia também: Crivella culpa população por enchente e morador joga lama nele

As consequências das fortes chuvas na vida do carioca poderiam ser reduzidas se as margens dos rios não fossem ocupadas uma vez que as "pessoas gostam de morar ali perto porque gastam menos tubo para colocar cocô e xixi e ficar livre daquilo", segundo o prefeito do Rio, Marcelo Crivella. A declaração foi feita ao final de um vídeo publicado em sua página do Facebook no início da tarde deste domingo.

Crivella recebeu responsáveis por cada órgão, no Centro de Operações, para relatarem os efeitos das chuvas que assolam a cidade desde a noite de sábado. Já encerrando o encontro, o prefeito coloca como uma das causas das enchentes a ocupação às margens dos rios pois, segundo ele, há "certas coisas que o cidadão precisa fazer por si mesmo".

Ainda de acordo com Crivella, a ocupação se torna crítica por serem próximas às talvegues, uma espécie de ponto mais profundo no leito do rio, local escolhido para que sejam feitos os despejos irregulares. O deslizamento de encostas também é apontado como uma preocupação. Mas outro conselho dado à população é quanto a jogar lixo no chão.

Leia também: Moradores ocupam áreas de risco para gastar menos com cocô e xixi, diz Crivella

A quantidade de folhas caídas das árvores — mais de um milhão, segundo o prefeito — cooperam para a obstrução dos bueiros pela cidade. A dificuldade de escoar a chuva é agravada pelo lixo jogados nas ruas pela população, disse Crivella. "E essas árvores todos os dias deixam cair folhas, e na época de chuvas elas correm para os bueiros. E se tiver ainda papel, papelão, latinha, causa um problema danado para os nossos garis e o pessoal da Conservação."

Prefeito minimiza obras irregulares em encostas

O prefeito justificou a demora no atendimento àquele local pelos carros abandonados que estavam na calha do Rio Grande. Eram oito, e a prefeitura já retirou quatro, o que atrasou a chegada da Comlurb, Rio Águas e Secretaria municipal de Conservação, segundo Crivella. Em relação aos mortos, ele respondeu que a prefeitura está prestando atendimento às famílias, assim como aos 600 desabrigados.

Questionado sobre as obras irregulares em encostas, o prefeito minimizou o problema. E novamente culpou o excesso de lixo.

"Temos que agir preventivamente para não jogar lixo nas encostas. Olha a grande quantidade, esse é o problema. Se não jogarem lixo no bueiro e na beira dos rios, melhora", afirmou Crivella, que culpou ainda a judicialização dos casos de demolições de construções. "As obras irregulares estamos tentando, amanhã vamos derrubar série de prédios na Muzema, o que a justiça não permitia."

    Veja Também

      Mostrar mais