Miguel Reale Jr.
Jefferson Rudy/Agência Senado
Miguel Reale Jr. disse que conduta de Bolsonaro é uma ofensa à dignidade humana

O jurista Miguel Reale Jr. , coautor do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff ao lado de Janaina Paschoal e Hélio Bicudo, defendeu o afastamento do presidente Jair Bolsonaro da presidência.

À colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo , Reale Jr. disse que Bolsonaro foi "asqueroso" ao reforçar as acusações de insinuação sexual contra a jornalista Patrícia Campos Mello . "Como as mulheres brasileiras podem respeitar um presidente que, porque desgosta de uma reportagem, se sente no direito de desqualificar a repórter com um insulto asqueroso?", quetionou o jurista.

Leia também: Marina Silva chama Bolsonaro de "desprezível" e "machista"

Ainda de acordo com o advogado, a fala do presidente "é a transformação da mulher em objeto sexual vendável para a desqualificar". "Se a ofensa ao decoro leva ao impeachment, o que dizer da ofensa à dignidade humana. Quando desrespeita-se a dignidade de uma mulher dessa forma, ele está desrespeitando a dignidade de todas as mulheres", completou.

Nesta terça-feira (18), Bolsonaro disse a jornalistas na frente do Palácio da Alvorada que a jornalista "queria dar um furo" em troca de informações que pudessem prejudicá-lo . A declaração do presidente faz referência ao depoimento de Hans River dado na semana passada. Na ocasião, o ex-funcionário da Yacows, empresa que prestou serviço de envio de mensagens em massa no WhatsApp em 2018, disse que a jornalista queria informações em troca de sexo.

    Leia tudo sobre: impeachment

    Veja Também

      Mostrar mais