Proposta do senador Waldemir Moka prevê que presos paguem pelas suas despesas
Wilson Dias/Agência Brasil
Proposta do ex-senador Waldemir Moka prevê que presos paguem pelas suas despesas


A Comissão de Constituição e Justiça ( CCJ ) do Senado aprovou, nesta quarta-feira, projeto de lei que obriga presos a pagarem por suas despesas na prisão. O texto segue para a análise do plenário da Casa.

De autoria do ex-senador Waldemir Moka (MDB-MS), a proposta altera a Lei de Execução Penal, acrescentando a obrigatoriedade de o peso ressarcir o Estado pelos gastos com a sua "manutenção no estabelecimento prisional".

O texto já havia sido aprovado por comissões no ano passado. Porém, ao chegar ao plenário em julho, senadores decidiram remetê-lo novamente para a CCJ. Naquele mês, houve polêmica sobre a situação dos presos que não têm condição de fazer o pagamento.

Detalhes

Relator do projeto na CCJ, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) apresentou um substitutivo em que detalha mais as regras. O texto, aprovado hoje, prevê que "o preso ressarcirá ao Estado as despesas realizadas com a sua manutenção no estabelecimento prisional".

Leia também: Mais de 200 presos estão com doença de pele em Roraima, aponta laudo do MP

Caso o detento tenha recursos próprios, "o ressarcimento independerá do oferecimento de trabalho pelo estabelecimento prisional". E se o pagamento não for feito, as despesas se tornam "dívida ativa da Fazenda Pública".

Valores

Já os presos que não têm condição econômica para arcar com essa despesa, "somente estará obrigado ao ressarcimento quando o estabelecimento prisional lhe oferecer condições de trabalho". Além disso, "o desconto mensal não excederá um quarto da remuneração recebida". Ao término do cumprimento da pena, "eventual saldo remanescente da dívida dar-se-á por remido".

O relatório de Vieira foi aprovado de forma simbólica. Não houve discussão. Se aprovado pelo plenário, o projeto segue para sanção.

    Veja Também

      Mostrar mais