Deputado federal Eduardo Bolsonaro
Vinicius Loures/Câmara dos Deputados
Eduardo quer evitar erros em relação a alinhamentos com Bolsonaro

O líder do PSL na Câmara dos Deputados , Eduardo Bolsonaro (SP), defendeu nesta terça-feira (4) que o Aliança pelo Brasil comece a disputar eleições apenas em 2022.

Desde que o grupo ligado ao presidente Jair Bolsonaro rompeu relações com lideranças do PSL, parlamentares que pretendem acompanhá-lo ajudam na coleta de assinaturas. Entretanto, o tempo é considerado curto para que a nova legenda possa disputar as eleições municipais.

Para justificar sua preferência, Eduardo Bolsonaro mencionou a "qualidade" dos quadros que podem aderir ao partido sem uma seleção adequada.

Leia também: Presidente da Fiesp pode deixar MDB e se filiar ao Aliança pelo Brasil

"Tivemos um mês para formar os quadros do PSL (em 2018). Então, não conseguimos ter nenhum tipo de filtro. Entrou uma grande variedade de pessoas e agora nem todas elas estão comprometidas com o projeto Jair Bolsonaro. Então, para evitar esse tipo de erro, que tenhamos quadros qualificados para debater, pessoas de mais confiança. Acredito que é melhor o Aliança não estar pronto para as eleições deste ano", disse Eduardo.

Ele diz que os aliados do presidente poderão concorrer em outros partidos. "Não prejudica em nada. Podemos começar estudos (para sair) em 2022. Quem quiser (em 2020) pode sair por outro partido, desde que não seja PCdoB, PSOL."

    Veja Também

      Mostrar mais