Presidente Jair Bolsonaro
Jorge William / Agência O Globo
Presidente Jair Bolsonaro

Um mês depois de ser notificado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente Jair Bolsonaro respondeu à interpelação e afirmou que não cometeu ilícitos ao chamar o jornalista Glenn Greenwald, do The Intercept Brasil , de "malandro". As informações são da Folha de S.Paulo.

Em julho de 2019, Bolsonaro afirmou que o jornalista não seria prejudicado pela portaria 666, que previa a expulsão de pessoas perigosas do Brasil. “Até porque ele é casado com outro homem e tem meninos adotados no Brasil. Malandro para evitar um problema desse casa com outro malandro ou adota criança no Brasil”, disse o presidente. 

Leia também: PF não vê indícios de participação de Flávio Bolsonaro em dois crimes

A ministra Rosa Weber, por sua vez, solicitou que Bolsonaro esclareça  "expressões caracterizadas por dubiedade, equivocidade ou ambiguidade". Nesta segunda-feira (3), o presidente afirmou estar tranquilo sobre as declarações pois  "não se pode inferir a imputação de qualquer crime, tampouco o intuito de ofender a honra alheia, motivo pelo qual não devo responder por quaisquer das condutas previstas". 

Ele afirmou ainda que o comentário foi político e baseado na livre manifestação do pensamento,  "sem qualquer conteúdo ilícito, o qual não se enquadra em qualquer conduta prevista no Código Penal". 

    Leia tudo sobre:

    Veja Também

      Mostrar mais