Tamanho do texto

Obra que será lançada por Thaís Oyama mostra que o presidente pensou em demitir o ministro em agosto do ano passado em episódio envolvendo o Coaf

Jair Bolsonaro arrow-options
Isac Nóbrega/PR
Bolsonaro rebateu informação de que pensou em demitir Moro

O presidente Jair Bolsonaro usou seu Twitter nesta terça-feira (14) para confrontar a informação de que ele cogitou demitir o ministro Sergio Moro , da Justiça e Segurança Pública, em agosto do ano passado. O episódio, segundo o colunista da Época Guilherme Amado, está presente no livro "Tormentas - O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos", da jornalista Thaís Oyama, que será lançado no próximo dia 20.

Na publicação Bolsonaro diz que "essa imprensa é uma vergonha". "Lê meus pensamentos e ministros se convencem a não demitirem a si próprios", escreveu.

O presidente fez referência a uma suposta orientação que o general Augusto Heleno , ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, deu a Bolsonaro para que ele não demitisse Moro. "Se demitir o Moro, o seu governo acaba", teria dito Augusto Heleno.

Leia também: "Faltou Queiroz", diz Frota sobre vídeo de férias de Bolsonaro

Na ocasião, Bolsonaro teria pensado em demitir Moro depois que ele pediu ao ministro Dias Toffoli , do Supremo Tribunal Federal ( STF ), que reconsiderasse uma decisão liminar que paralisou as investigações com base em relatórios de inteligência do Coaf . A mudança de entendimento de Toffoli influenciaria o caso Queiroz, que envolve o senador Flávio Bolsonaro , filho do presidente.

Leia também: Pagamento em dinheiro vivo feito por Flávio Bolsonaro é investigado pelo MP

Segundo a investigação, Flávio, quando era deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio ( Alerj ), recebia parte dos salários de seus assessores, prática conhecida como rachadinha. O dinheiro era movimentado pelo ex-PM Fabrício Queiroz .