Tamanho do texto

Em 2018, quando Michel Temer concedeu indulto, Bolsonaro disse que seria a última vez que isso aconteceria; entretanto, a promessa não se cumpriu

IstoÉ

Bolsonaro arrow-options
Agência Brasil
Bolsonaro não cumpriu com o que prometeu e assinou indulto natalino

O presidente Jair Bolsonaro disse, durante a campanha eleitoral, que jamais assinaria um decreto presidencial concedendo indulto de Natal a criminosos, como fizeram seus antecessores. No final de 2018, quando o ex-presidente Michel Temer estava em dúvida se assinaria novo indulto, como o fizera em 2017, Bolsonaro garantiu que aquela seria a última vez que o presidente assinaria um decreto de indulto. Temer acabou na concedendo indulto em 2018, mas mesmo assim Bolsonaro afirmou que essa prática acabaria em seu governo.

Leia também: Indulto de Natal a policiais, militares e pessoas com doença grave é publicado

Para quem acreditou na palavra de Bolsonaro , se deu mal, porque nesta segunda-feira o presidente assinou novo decreto de indulto natalino a policiais condenados e presos por crimes no exercício da profissão, valendo para policiais, militares do Exército ou agentes das forças de segurança que foram presos ou condenados depois de matarem pessoas inocentes, nos chamados “crimes culposos ou por excesso culposo”.

No caso, quem já cumpriu um sexto da pena, ficará em liberdade definitiva por concessão do presidente. Com esse tipo de atitude, concedendo liberdade a policiais que mataram inocentes no exercício do cargo, o presidente está estimulando a impunidade de maus policiais. Além de mentir deslavadamente.

Leia também: Após queda em banheiro, Bolsonaro tem alta e deixa hospital em Brasília