Juíza Selma falando ao microfone
Edilson Rodrigues/Agência Senado
Senadora ainda receberá e terá direito a auxílio-moradia

Com o mandato cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por prática de caixa 2 e abuso de poder, a senadora Juíza Selma (PODEMOS-MT), conhecida como " Moro de saias ", vai continuar no cargo pelo até fevereiro de 2020 recebendo salário de R$ 33,7 mil e ainda tendo direito a benefícios como uso da cota parlamentar e auxílio-moradia. Isso vai acontecer porque, apesar de o TSE já ter determinado e publicado a decisão de cassação, a Mesa Diretora do Senado ainda precisa declarar oficialmente a vacância do cargo.

 Nesta sexta-feira (20), o presidente da Casa, o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse que, antes do recesso, nada mais deve acontecer. A declaração mostra que a declaração de vacância só deve ficar para o ano que vem. Na quinta-feira, a presidente do TSE , ministra Rosa Weber , encaminhou a Alcolumbre a decisão tomada pelo tribunal, que foi feita no último dia 10.

Leia também: Por 6 votos a 1, TSE cassa o mandato da senadora 'Moro de Saias'

Selma foi condenada por ter antecipado a corrida eleitoral e contratado empresas de pesquisa e de marketing para a produção de vídeos, jingles e fotos na pré-campanha, o que é proibido pela Justiça Eleitoral.

O líder do Podemos no Senado, Alvaro Dias (PR), um dos fortes defensores do combate a corrupção na política e a favor da Operação Lava Jato , pediu a Alcolumbre para segurar qualquer decisão sobre a cassação de Selma até fevereiro. "É preciso colocar um pé no freio. Esse carro está em alta velocidade e tem uma instituição em jogo, que é o Senado", declarou Dias.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários