Tamanho do texto

Agentes irão ouvir os quatro envolvidos na confecção de uma carta entregue à parlamentar apontando o vereador Misael como responsável pela morte

Flordelis arrow-options
Câmara dos Deputados
Carta já foi alvo de investigação e envolve muitas dúvidas, principalmente sobre seu real autor

A Polícia Civil inicia nesta terça-feira (17) um novo episódio nas investigações da morte do pastor Anderson do Carmo, marido da deputada federal e cantora gospel Flordelis dos Santos (PSD). Agentes da Delegacia de Homicídios de Niterói, Itaboraí e São Gonçalo (DHNISG) irão ouvir os quatro envolvidos na confecção de uma carta entregue à parlamentar apontando um de seus filhos, o vereador Misael, como responsável pela morte do religioso.

Leia também: Polícia consegue recuperar dados de celular e tablet do marido de Flordelis

Além dos filhos da deputada que já estão presos pela morte do pai, Lucas Cézar dos Santos e Flávio Rodrigues dos Santos, as outras duas pessoas a prestarem depoimento são o ex-PM Marcos Siqueira da Costa e a mulher dele, que entregou a carta nas mãos de Flordelis . À juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce, da 3ª Vara Criminal de Niterói, Lucas disse que não foi o autor da carta.

A morte do pastor Anderson do Carmo completou seis meses ontem. Em entrevista, a deputada explicou porque será testemunha de defesa de seu filho biológico Flávio. Flordelis disse que o filho estava no terceiro andar da casa no momento do sexto disparo que matou o líder religioso.

A versão da deputada contraria o depoimento de um de seus filhos, que afirmou ter visto Flávio próximo ao corpo do padrasto após os disparos. Pouco depois dos tiros, Flávio é flagrado por câmeras de segurança saindo de casa para, segundo ele, buscar ajuda. Para a Polícia Civil, a motivação da morte do pastor teria sido por dinheiro.

Leia também: Eduardo Bolsonaro volta a ser o líder do PSL na Câmara

A Justiça indiciou dois filhos da deputada Flordelis pela morte de Anderson do Carmo. Flávio confessou ter atirado seis vezes contra o padrasto. Já Lucas disse ter intermediado a compra da arma do crime.