Ministro teve seu celular e aplicativos supostamente invadidos por hacker
Marcos Corrêa/PR
Ministro teve seu celular e aplicativos supostamente invadidos por hacker

A delação de Luiz Henrique Molição, um dos hackers suspeitos de ter invadido os celulares e aplicativos do ministro Sergio Moro , da Justiça e Segurança Pública, e de procuradores da Lava Jato foi validada nesta terça-feira (3). A homologação, feita pelo juiz Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara Federal do Distrito Federal, é necessária para que os investigadores continuem a buscar provas com base nas informações obtidas na delação.

Ao homologar o acordo de delação, o juiz considera que o delator não sofreu coação e confirma a punição negociada por ele com o órgão de investigação em troca das informações que forneceu.

Leia também: Lava Jato de Curitiba recuperou de R$ 4 bilhões aos cofres públicos desde 2015

Estudante de direito, Molição foi preso em setembro, em Sertãozinho (SP), em uma das etapas da Operação Spoofing, da Polícia Federal. A força-tarefa foi deflagrada em julho para desarticular uma suposta organização criminosa que praticava crimes digitais. De acordo com as investigações da PF, o grupo teve acesso a contas do Telegram de autoridades.

Outro dos presos na operação, Walter Delgatti Neto, o Vermelho, que admitiu à Polícia Federal que entrou nas contas de procuradores da Lava Jato e disse ter repassado mensagens ao site The Intercept Brasil . O vazamento dele, segundo Delgatti, resultou na série de reportagens da Vaza Jato, que mostra que Moro, então juiz, cedeu informações privilegiadas às acusações do Ministério Público.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários