Tamanho do texto

Conselho de ética do partido também analisa tratamento odontológico de R$ 157 mil feito pelo parlamentar que foi reembolsado pela Câmara

Marco Feliciano falando ao microfone arrow-options
Michel Jesus/ Câmara dos Deputados
Deputado fez tratamento odontológico de R$157 mil pago pela Câmara

O deputado federal Marco Feliciano (SP) pode ser expulso do Podemos por sua aproximação com o presidente Jair Bolsonaro . Até o fim do mês, a sigla também deve concluir um processo contra o parlamentar por conta de um tratamento odontológico de R$ 157 mil que foi reembolsado pela Câmara dos Deputados . Na época, Feliciano disse que disse que precisava corrigir um problema na articulação da mandíbula e que o valor deveria ser pago pela Casa por conta de ser um instrumento de trabalho dele para a atividade parlamentar.

Durante a campanha de Bolsonaro para as eleições presidenciais de 2018, Feliciano declarou apoio ao então candidato mesmo que o Podemos tivesse Alvaro Dias como candidato concorrendo pela sigla.

A expulsão de Feliciano faz parte da estratégia do Podemos de romper qualquer tipo de ligação com o bolsonarismo e se apresentar como o novo partido que mais apoia a Operação Lava Jato .

Leia também: 'Partido da Lava Jato' cresce no Senado e pretende reproduzir dinâmica na Câmara

Desde o fim das eleições, a sigla tem atraído parlamentares de centro-direita descontentes com o governo e, só no Senado , passou de cinco para dez parlamentares nos últimos meses, formando a segunda maior bancada na Casa.

Por ser pastor, Feliciano se filiou ao Podemos no ano passado com o objetivo de atrair seguidores da Assembleia de Deus para o partido.