Tamanho do texto

"Não posso tabelar, inventar. Isso não vai dar certo”, comentou o presidente

Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro disse neste sábado (30) que não vai interferir no preço da carne bovina, que no mercado atacadista teve alta média de 22,9%. Segundo ele, é o mercado quem define o preço do produto. Ele, no entanto, disse acreditar que o preço do produto deve baixar.

Leia também: Heloísa Bolsonaro diz passar "perrengue" com salário de R$ 33 mil de Eduardo

Jair Bolsonaro arrow-options
Reprodução/Instagram/jairmessiarbolsonaro
O Presidente Bolsonaro diz que o valor da carne está ligado à 'lei de oferta e demanda' dos produtos

“Quero deixar bem claro que esse negócio da carne é a lei da oferta e da procura. Não posso tabelar, inventar. Isso não vai dar certo”, disse o presidente Bolsonaro na chegada ao Palácio do Alvorada, após viagem a Resende, Rio de Janeiro. onde participou da inauguração da 8ª cascata de ultracentrífugas  , na Fábrica de Combustível Nuclear (FCN).

“Tivemos uma pequena crise agora [no preço da carne bovina] mas vai melhorar. A carne aqui, internamente, daqui a algum tempo, acho que vai diminuir o preço  ”, completou, dirigindo-se a um dos populares que o aguardavam no local.

No fechamento de novembro, o aumento nos preços da carne bovina desossada no mercado atacadista foi de 22,9% na média de todos os cortes pesquisados, segundo a Scot Consultoria.

Leia também: "Tenho dificuldades seríssimas em muitas áreas", admite Bolsonaro

Já os preços da carne bovina vendida em supermercados e açougues de São Paulo registraram uma alta de 8%, na média de todos os cortes, segundo a consultoria. No Paraná a alta também foi consistente, 3,5%. Já no Rio de Janeiro e em Minas Gerais as variações foram mais tímidas, de 0,2% e 1%, respectivamente.