Tamanho do texto

Em sua primeira participação em uma executiva nacional, o ex-presidente também rebateu críticas de Ciro Gomes e disse que PT será cabeça de chapa

Lula, Gleisi e Haddad de mãos dadas arrow-options
Ricardo Stuckert
Lula participou de sua primeira executiva nacional após sair da prisão

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou nesta quinta-feira (14) se seu primeiro evento partidário em Salvador , na Bahia , após ter saído da prisão e, em seu discurso, comparou o presidente Jair Bolsonaro a um "desastre". O petista ainda aproveitou para rebater as críticas de Ciro Gomes e disse que o PT "vai polarizar em 2022".

O evento foi uma executiva nacional do PT , que também contou com a presença da deputada federal Gleisi Hoffmann e do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad .

Nos ataques a Bolsonaro, Lula afirmou que o PT será "cabeça de chapa" para as eleições de 2022. "O Bolsonaro é um desses desastres que acontece de vez em quando. Eu duvido que ele acreditava que podia se eleger. E ele está eleito. Isso demonstra que a gente tem que arriscar", disse o petista.

Leia também: 'Não quero ficar falando mal de presidente', diz Lula em vídeo; assista

O ex-presidente aproveitou a oportunidade para rebater as críticas de Ciro Gomes, que diz que o PT deveria ter feito alguma aliança em 2018 e abrido mão da candidatura à presidência. "Eu não quero ficar polemizando com o Ciro. Eu tive uma boa relação com o Ciro. Agora dizer que o PT deveria ter saído? Você acha que o Bahia vai jogar com o Vitória e o vai amolecer para o Vitória? Nós não podemos aceitar a ideia de que eles têm que nos diminuir. Nós somos o único partido que tem um legado, defensável e que dá orgulho", afirmou.

Lula foi solto na última sexta-feira (8) menos de 24 horas depois do Supremo Tribunal Federal (STF) mudar o entendimento que tinha desde 2016 sobre prisões após condenação em segunda instância. Antes, a Corte entendia que as penas podiam ser cumpridas de forma antecipada, mas agora os condenados podem ficar em liberdade até o trânsito em julgado.

    Leia tudo sobre: Lula