Tamanho do texto

Em uma publicação nas redes sociais, advogada pediu que as filhas fossem mortas após a Corte determinar o fim de prisões após segunda instância

Celso de Mello arrow-options
Rosinei Coutinho/SCO/STF - 11.4.19
Celso de Mello repudiou ataque de advogada

O ministro Celso de Mello , do Supremo Tribunal Federal (STF), definiu como "ódio cego e visceral" a publicação de uma advogada que pedia que as filhas dos membros da Corte fossem estupradas e mortas. O ataque foi feito após a mudança de entendimento do STF acerca das prisões após condenação em segunda instância , permitindo que réus permaneçam em liberdade até se esgotarem todas as possibilidades de recurso.

“A que ponto chegam o ódio cego e visceral, quando não patológico, a irracionalidade do comportamento humano e o fundamentalismo político daqueles que, podendo legitimamente criticar, de forma dura e veemente, posições antagônicas, tal como lhes permite a Constituição da República, optam, no entanto, por incitar práticas criminosas”, disse o decano por meio de nota.

Leia também: 'Segunda instância não é a única urgência do Brasil', diz Maia

A publicação fez a advogada Cláudia Teixeira Gomes, do Rio Grande do Sul, ser intimada para depor no inquérito das fake news, a investigação sobre manifestações hostis e ameaças aos ministros do Supremo, sob relatoria de Alexandre de Moraes . O inquérito foi aberto em março deste ano a pedido do presidente do STF, o ministro Dias Toffoli .

Para Celso de Mello, a conduta de Cláudia constitui delito de incitação pública a crime tipificada no artigo 286 do código penal e ‘perseguível mediante ação penal pública incondicionada!’