Tamanho do texto

Solicitações ocorrem após ser descoberto que a promotora carioca Carmen Eliza fez campanha para Bolsonaro. Ela, no entanto, recusou ser afastada

Promotora Bolsonaro Caso Marielle arrow-options
Reprodução/Instagram
Promotora publicou foto com camiseta em apoio ao presidente

A cúpula do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) realizou uma reunião, na noite desta quinta (31), para decidir se a promotora que fez campanha para Bolsonaro seria afastada do caso Marielle .

Leia também: Eduardo Bolsonaro diz que “novo AI-5” pode ser resposta à esquerda radical

O afastamento da promotora Carmen Eliza Bastos de Carvalho era esperado pelo MPRJ, mas ela se recusou em sair do caso. No Ministério Público, é direito dos promotores escolherem em quais casos irão atuar.

A reunião ocorreu após o MPRJ e o procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro, Eduardo Gussem, receberem solicitações para que a promotora seja afastada de qualquer caso que envolva Bolsonaro.

Os pedidos de afastamento ocorreram após ser descoberto que a promotora fez campanha para Bolsonaro chegando a postar nas redes sociais uma foto utilizando camisa a favor do presidente. Ela também possui uma foto com o deputado Rodrigo Amorim (PSL-RJ), que danificou a placa de rua em homenagem a Marielle.

Leia também: Lula rebate fala de Eduardo sobre AI-5 e cobra que Bolsonaro aja como presidente

A promotora , junto com outras duas do MPRJ, foi a responsável por desmentir, em coletiva de imprensa, o depoimento do porteiro sobre o envolvimento de Bolsonaro na investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco.