Condomínio Vivendas da Barra
Reprodução/Google Street View
Fachada do condomínio Vivendas da Barra, no Rio de Janeiro

A bancada de sendores de Rede enviou um ofício ao governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC-RJ), pedindo que o porteiro do condomínio Vivendas da Barra seja colocado em no programa de proteção a testemunhas. Ele citou o presidente Jair Bolsonaro em um depoimento prestado à Polícia Civil do Rio e disse que o ex-PM Élcio de Queiroz , um dos suspeitos de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco , falou com o presidente no dia da morte dela.

Segundo os parlamentares, o porteiro passou a ser "o foco" depois que o presidente pediu a Sergio Moro, ministro da Justiça e da Segurança Pública, que ele fosse ouvido pela Polícia Federal. Houve ainda um pedido de abertura de inquérito encaminhado à PGR (Procuradoria-Geral da República).

Leia também: Carlos Bolsonaro divulga áudio de portaria de condomínio de Bolsonaro

Por meio do documento, os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Fabiano Contarato (Rede-ES) e Pedro Ivo Batista (Rede-DF) afirmam que a iniciativa de Bolsonaro e de Moro "caracteriza uma verdadeira coação moral e também uma forma de impedir seu testemunho livre e isento". Eles ainda falam em "uma perseguição pura e simples".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários