Tamanho do texto

Pedido foi feito pelo deputado Paulo Pimenta e acusava o procurador de abuso de poder, fraude processual, prevaricação e organização criminosa

Procurador Deltan Dallagnol falando ao microfone arrow-options
Marcelo Camargo/ABr
Pedido contra Deltan foi negado pelo ministro Celso de Mello

Um pedido de investigação do procurador Deltan Dallagnol , chefe da Operação Lava Jato no Paraná, feito pelo PT foi negado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello . Assinado pelo deputado Paulo Pimenta , o documento pedia que Dallagnol fosse investigado por abuso de poder, fraude processual, prevaricação, organização criminosa e atos de improbidade administrativa.

A decisão ainda não foi divulgada na íntegra, mas a justificativa para o arquivamento da ação, de acordo com o jornal O Estado de São Paulo , é que "que o autor do pedido não usou a via cabível".

Leia também: Dallagnol recusa hipótese de promoção para continuar na Lava-Jato

As suspeitas contra Dallagnol começaram a surgir após o início das publicações das reportagens da Vaza Jato pelo site The Intercept Brasil . De acordo com as mensagens privadas que o site teve acesso, ele e outros procuradores tiveram condutas ilegais ao se comunicarem por outro meio que não os autos oficiais e ainda contaram com a ajuda do então juiz Sergio Moro, hoje ministro da Justiça e Segurança Pública, para a obtenção de provas e organização do calendário de forças-tarefas.