Eduardo
Michel Jesus/ Câmara dos Deputados - 28.8.19
Eduardo Bolsonaro diz que pai está "inseguro" quanto a indicação para embaixada

Em busca de votos para aprovar sua indicação à embaixada do Brasil em Washington, nos Estados Unidos, o deputado Eduardo Bolsonaro(PSL-SP) discursou para pouco mais de 14 senadores em jantar oferecido na noite de terça-feira por Lucas Barreto (PSD-AP). O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), participou do evento.

Leia também: "Dinheiro sem limites", diz Palocci sobre propinas para Lula e PT

Em um discurso de meia hora, Eduardo Bolsonaro defendeu estar preparado para o cargo e que sua boa relação com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, será útil para ampliar as negociações entre os dois países. Os senadores ouviram em silêncio e evitaram comentar sobre seus posicionamentos em relação à votação no plenário.

Eduardo Bolsonaro afirmou aos senadores que o presidente Jair Bolsonaro fará a indicação dele à vaga no “momento certo”. Segundo fontes, ele explicou que a retração na indicação se deu porque o presidente estaria “inseguro” de que tem os votos suficientes para aprová-lo. A avaliação de senadores é de que o quórum para o plenário “está muito apertado”.

Irmão de Eduardo, o senador Flavio Bolsonaro (PSL-RJ) foi o responsável por convidar os colegas para o jantar. Flavio, porém, não discursou pelo irmão. Participaram os senadores Soraya Thronicke (PSL-MS), Marcos Rogério (DEM-RO), Jayme Campos (DEM-MT), Luiz do Carmo ( MDB-GO), Vanderlan Cardoso (PP-GO), Roberto Rocha (PSDB-MA), Marcio Bittar (MDB-AC), Luiz Carlos Heinze (PP-RS), Romário (Podemos-RJ), Mecias de Jesus (Republicanos- RR), Carlos Viana (PSD-MG) e Mailza Gomes (PP-AC). Anfitrião do jantar, Lucas Barreto ajudou a preparar a receita do peixe filhote com leite de coco que serviu aos convidados.

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que a indicação do filho está mantida e que não haverá "recuo". Um dia antes, ele havia levantado a hipótese de retirar a indicação caso não houvesse apoio no Senado para aprová-la, dizendo que não queria submeter seu filho a um "fracasso". Bolsonaro disse que a formalização da indicação pode ser feita após 7 de Setembro, mas ressaltou que a data será decidida por Eduardo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários