Tamanho do texto

Senador, que chamou o ministro do Supremo de "bandido, corrupto, ordinário e ladrão", prometeu entrar com um mandado de segurança

Kajuru arrow-options
Agência Senado
Kajuru quer liminar do STF para reabrir impeachment de Gilmar Mendes e Lava Toga

O senador Jorge Kajuru (PATRI-GO) prometeu, em vídeo publicado no final da manhã desta quinta-feira (15), entrar com um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) para desarquivar a CPI da Lava Toga e um pedido de impeachment contra o ministro Gilmar Mendes.

Leia também: Bolsonaro determina suspensão do uso de radares eletrônicos em rodovias

"Bandido, corrupto, safado, ordinário, ladrão", disse Kajuru sobre Gilmar Mendes no início do vídeo. Depois, mostrou trechos de conversas vazadas entre procuradores da Operação Lava Jato onde eles lamentam o fato do ministro ter determinado a soltura do ex-governador do Paraná, Beto Richa (PSDB).

Kajuru então prometeu que entrerá ainda na tarde desta quinta-feira com um mandado de segurança no STF. O documento tem como intenção conseguir uma liminar para desarquivar o pedido de impeachment contra Gilmar Mendes, além da CPI dos Tribunais Superiores, que ficou conhecida como Lava Toga.

"Vou tentar um Barroso, um Fux. Vou tentar o que é justo", disse Kajuru, que ainda explicou que foi orientado por "senadores experientes". "Quero pegar um dos juízes sérios, pois eles darão a liminar a mim", afirmou o senador.

"Essa liminar vai exigir que o presidente do Senado abra e instaure a CPI da Lava Toga e o impechment do Gilmar Mendes. Isso é jurisprudência", explicou o parlamentar, que disse acreditar que, caso ele consiga a liminar, os processos serão reabertos já na semana que vem.

Leia também: #VetaBolsonaro! Eleitores pedem derrubada de projeto que pode frear a Lava Jato

Alvo de polêmicas, a CPI dos Tribunais Superiores, ou Lava Toga, foi arquivada em abril pelo presidente do Senado Davi Alcolumbre. Duas semanas depois, um requerimento reuniu as 27 assinaturas para reabrir o caso, no entanto, após o recuo de dois senadores, a pauta permaneceu arquivado.

Em 2016, o então presidente da casa Renan Calheiros arquivou, de uma só vez, dois pedidos de impeachment contra Gilmar Mendes . O senador afirmou na época que as duas denúncias basearam-se exclusivamente em matérias jornalísticas, declarações e transcrições de votos. Ele considerou "insubsistente" o conjunto de provas presente nos autos, sem vislumbrar, na sua opinião, a incompatibilidade dos atos do ministro com a honra ou o decoro, nem que outros elementos configurem crimes de responsabilidade.

    Leia tudo sobre: Impeachment