Tamanho do texto

Ação civil Ministério Público Federal no Distrito Federal não fala sobre nepotismo, mas afirma que deputado não tem experiência para o posto

MPF-DF arrow-options
Reprodução/Instagram/Bolsonarosp
MPF-DF entra com ação contra a indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixada

O Ministério Público Federal no Distrito Federal (MPF-DF) entrou com uma ação civil pública contestando a indicação de Eduardo Bolsonaro para o posto de embaixador do Brasil nos Estados Unidos. A informação é do colunista Guilherme Amado, da revista Época .

Leia também: Em meio a escândalo de vazamentos, MP analisa ação de Toffoli contra Deltan

Segundo as informações obtidas pelo jornalista, a ação contra a indicação de Eduardo Bolsonaro não fala nada sobre nepotismo. Na verdade, os procuradores questionam o currículo do deputado federal, que é o terceiro filho do presidente Jair Bolsonaro, para assumir o cargo. "Não pode ser qualquer mérito ou qualquer serviço a justificar a indicação do cargo, mas sim méritos e serviços relacionados à função que se irá exercer", diz um trecho divulgado do documento.

De acordo com a argumentação dos procuradores, a falta de experiência de Eduardo ofedere "perigo do dano caso se efetive a indicação de pessoa sem a preparação adequada para estabelecer intensas negociações com agentes estrangeiros". O MPF-DF ressalta que a embaixada em Washington é a mais importante para a diplomacia brasileira.

Leia também: PF mira ex-governador petista em ação contra lavagem de dinheiro e crimes eleitorais

O nome de Eduardo Bolsonaro começou a ser ventilado pelo presidente Jair Bolsonaro poucos dias após ele completar 35 anos, idade necessária para assumir o posto de embaixador. Ele foi formalmente indicado e já foi aprovado pelo governo norte-americano. Agora, apenas a sabatina no Senado separa o filho do presidente do cargo em Washington