Tamanho do texto

Presidente afirmou que nome do ministro André Luiz Mendonça, também "terrivelmente evangélico", está entre as opções para uma vaga no Supremo

Ministro AGU arrow-options
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Ministro André Luiz Mendonça, da Advogacia-Geral da União (AGU) é cotado para vaga no STF

Em mais um aceno à bancada evangélica, o presidente Jair Bolsonaro não descartou o nome do ministro André Luiz Mendonça, da Advogacia-Geral da União (AGU) para a vaga do Supremo Tribunal Federal (STF) que será aberta em novembro de 2020.

Leia também: Após 'abandono' e distanciamento, Flordelis exonera mulher de filho adotivo

Questionado na noite desta quarta-feira se o nome de Mendonça era um dos que poderiam entrar na lista do presidente, Bolsonaro admitiu que ele "é um bom nome" entre outros cotados para a função.

"Primeiro, da minha boca não saiu isso. Eu sei que ele é terrivelmente evangélico e posso garantir a vocês. Tem muitos bons nomes pra lá e André Luiz é um bom nome e com toda certeza e está em uma lista aí", disse.

Em uma forte aproximação com os evangélicos, Bolsonaro,  segundo a coluna Lauro Jardim, do Globo, passou a falar abertamente da intenção de ter um evangélico como vice em 2022.  

 'Terrivelmente evangélico'

Na quarta-feira Bolsonaro se comproteu a entregar uma das duas vagas que poderá indicar para o STF a um ministro “terrivelmente evangélico” . Nesta quinta-feira, ele voltou ao assunto e disse que o futuro ministro também deverá ter conhecimento técnico.

"Este terrivelmente evangélico será um profundo conhecedor das leis", afirmou o presidente .  A fala de Bolsonaro já abriu uma corrida com especulações entre os que preenchem o principal pré-requisito para o posto .

A primeira vaga será aberta em 1º de novembro de 2020, quando o decano Celso de Mello completará 75 anos de idade. A outra só ficará disponível em julho de 2021, quando será a vez de Marco Aurélio de Mello deixar o cargo.

Além de Mendonça, outros dois nomes surgem como alternativas para o cargo. Um deles é o juiz federal   Marcelo Bretas , da Operação Lava Jato no Rio, e frequentador da Comunidade Evangélica Internacional da Zona Sul. Ele é próximo ao governador do Rio, Wilson Witzel, e do filho mais velho do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).

Leia também: Datafolha: projeto de Bolsonaro para porte de armas tem rejeição de 70%

Bretas fez questão de prestigiar Bolsonaro em sua posse. Ele tem se movimentado com declarações em defesas de pauta do governo e de Bolsonaro e costuma fazer citações religiosas nas redes sociais. 

O outro cotado é o juiz federal  William Douglas  , escritor de livros cristãos, coach motivacional e pregador em diversas denominações evangélicas.