Tamanho do texto

Ministro da Educação comparou Lula e Dilma à droga que foi encontrada em um avião da FAB que fazia parte da comitiva de Bolsonaro; o filho do presidente gostou da piada e acrescentou: "Recorde foi na viagem a Cuba"

Eduardo Bolsonaro
Agência Câmara
'E na vez que o Fidel Castro morreu! Recorde no voo para Cuba!', afirmou Eduardo Bolsonaro

Na manhã desta quinta-feira (27), o ministro da Educação, Abraham Weintraub, causou polêmica ao comparar os ex-presidentes petistas Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff a drogas . Ele fez referência à prisão do sargento da Aeronáuta, flagrado com 39 kg de cocaína no aeroporto de Sevilha, na Espanha.

O militar, que integrava a equipe de apoio à viagem oficial do presidente Jair Bolsonaro ao Japão, chegara ao terminal europeu em um avião da Força Aérea Brasileira ( FAB ). Para Weintraub, o episódio foi motivo de piada: "No passado o avião presidencial já transportou drogas em maior quantidade. Alguém sabe o peso do Lula ou da Dilma?", escreveu.

A 'piada' causou uma repercussão negativa no Twitter, onde internautas classificaram o comentário do ministro como "baixo nível" e ressaltaram o caráter sério do caso do militar. No entanto, a brincadeira foi apoiada pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, que engrossou a piada: "E na vez que o Fidel Castro morreu! Recorde no voo para Cuba!", afirmou. 

O presidente Jair Bolsonaro ordenou que o Ministério da Defesa colabore com a investigação das autoridades espanholas. O porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, disse na chegada ao Japão que o Planalto e o Comando da Aeronáutica não admitem a situação "em hipótese alguma" e prezam pela devida apuração e eventual punição de Silva Rodrigues .

"Desnecessário! Vamos trabalhar?", destacou um internauta, em resposta a Weintraub. "Muito baixo nível", rebateu outro. Com a repercussão, o termo "Ministro da Educação " se tornou o assunto mais comentado no Twitter Brasil nesta manhã.

Leia também: Prisão de militar flagrado com cocaína na comitiva de Bolsonaro inspira memes

Embora parte dos usuários tenham apoiado o ministro e considerado o tuíte uma "piada", outros pediram que o ministro "respeitasse o cargo". "Amigo, este tuíte não é condizente com o cargo que ocupa", apontou um internauta. "Tu é ministro da Educação. Comece a agir como tal", criticou outro. " Ministro da (falta de) Educação", acrescentou mais um internauta.