Tamanho do texto

Advogados que defendem Flávio e Lucas dos Santos, presos na Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI), confirmam que eles serão transferidos para a Cadeia Pública Frederico Marques, em Benfica

Flordelis
Estefan Radovicz/Agência O Dia
Flordelis prestou depoimento por 9 horas após prisão dos filhos

Flávio e Lucas dos Santos, filhos da deputada federal Flordelis, serão transferidos nesta terça-feira para a Cadeia Pública Frederico Marques, em Benfica, segundo advogados que defendem os dois. Ambos estão presos na Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) suspeitos da morte do pastor Anderson do Carmo.

Leia também: Flordelis é ouvida pela polícia sobre o assassinato do marido

Ontem, Maurício Mayr, advogado de Flávio, um dos filhos de Flordelis , disse que pediria a transferência porque as condições na delegacia são insalubres. "Meu cliente está sem tomar banho há quase uma semana, almoça e só tem outra refeição às 18h", disse.

A deputada federal Flordelis prestou depoimento por mais de nove horas, nesta segunda-feira, na Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI), que investigado o assassinado do marido da parlamentar, o pastor Anderson do Carmo.

O depoimento começou às 13h e terminou 22h15. Segundo a defesa, Flordelis foi ouvida na condição de testemunha. "A deputada está muito abalada, se emociona durante o depoimento, para e volta a falar", disse durante o dia uma defensora.

O advogado Anderson Rollemberg, um dos defensores de Flávio dos Santos, afirma que seu cliente nega ter dito à polícia que confessou ter atirado no pastor Anderson do Carmo , no último domingo. "Ele nega que tenha realizado um segundo depoimento no qual tenha feito alguma confissão. Se existir algum depoimento, seja por escrito ou em vídeo, iremos sustentar que é inidôneo. E pergunto: em que condições foi realizada essa confissão, se ela realmente existiu?", disse.

De acordo com a chefe da investigação, delegada Barbara Lomba, Flávio confessou que comprou a arma dois dias antes do crime e que fez sozinho os disparo que vitimou seu padrasto. A confissão surgiu após a polícia encontrar uma pistola 9mm em seu quarto, na terça-feira.

Os investigadores realizaram uma perícia primária na própria delegacia e afirmaram que tudo indicava ser aquela a arma utilizada no crime. A Polícia Civil ainda não se posicionou a respeito da declaração do advogado.

A polícia já sabe que Flávio dos Santos, filho da parlamentar, fez um curso de disparos com pistola em um clube de tiro. Além disso, ele tentou tirar a licença para comprar arma como colecionador, mas teve o pedido negado pelo Exército.

Leia também: Advogada dos filhos de Flordelis deixa o caso após confissão

O Exército confirmou a informação de que Flávio tentou obter um Certificado de Registro do Exército, para adquirir uma arma de fogo como colecionador. O requerimento foi feito em outubro do ano passado, mas foi negado.

Segundo o Exército, ele não apresentou documentos exigidos no processo. O promotor Sérgio Luís Pereira, que acompanha esse caso no Ministério Público, disse que o filho de Flordelis chegou a ter aulas de tiro.