Tamanho do texto

Ministro da Justiça diz que os hackers que invadiram seu celular e de procuradores são os mesmos que agiram contra jornalista do O Globo

Sergio Moro
Marcelo Camargo/ABr
Sergio Moro afirmou que o mesmo grupo de hackers atuou contra ele e contra procuradores e um jornalista

Depois que um jornalista do Globo  anunciou, por meio do jornal nesta terça-feira (11) , que teve sua conta no aplicativo de troca de mensagens Telegram invadida por hackers no início de maio, o ministro da Justiça, Sergio Moro, decidiu comentar o caso nas redes sociais. A declaração se deu poucos dias depois do próprio Moro afirmar que teve seu celular hackeado. 

"Além de juízes e procuradores, jornalistas também tiveram celulares hackeados pelo mesmo grupo criminoso", afirmou Sergio Moro. A atribuição que o ministro da Justiça fez, sobre um mesmo grupo de hackers , que estaria atuando contra todas as autoridades e profissionais citados, se deu sem qualquer prova. 

O ataque contra o  jornalista do jornal O Globo foi relatado a autoridades na época em que aconteceu. Segundo reportagem publicada hoje pelo jornal, a empresa comunicou formalmente o ocorrido à Procuradoria-Geral da República (PGR). Na ocasião, o jornal foi informado que o caso tinha sido levado à procuradora Raquel Branquinho, um dos nomes mais próximos da procuradora-geral da República, Raquel Dodge.]

Leia também: Hacker invade celular de Moro e usa aplicativo de mensagens; PF é acionada

Invasão a celular de jornalista

Após a invasão, o hacker, se passando pelo jornalista, enviou mensagens intimidadoras ao procurador regional da República Danilo Pinheiro Dias. O criminoso dizia que precisava falar com Deltan Dallagnol , da Lava Jato em Curitiba, pois tinha informações de que a operação estaria em risco. Afirmava que fora procurado por uma terceira pessoa, que teria invadido perfis de outros investigadores e lhe passado materiais sigilosos que comprometeriam a investigação.

Mais adiante, na mesma troca de mensagens, o hacker mudou o discurso, após o procurador desconfiar da real autoria das mensagens . Fez ameaças objetivas ao procurador, sustentando que poderia acabar com a Lava Jato . Pinheiro Dias entrou em contato com o jornalista , que esclareceu não ser o autor das mensagens.

Na ocasião, antes da divulgação da invasão dos celulares de integrantes da Lava Jato e, portanto, sem indícios de que poderia se tratar de um caso mais amplo. Afinal, após anúncios de que hackers haviam invadido o celular de Moro, neste domingo, o ex-juiz teve conversas comprometedoras e pessoais com os procuradores da Lava Jato divulgadas pela imprensa .